“A política social e religiosa é um jogo”

“A política social e religiosa é um jogo”

Sonia Racy

15 de março de 2013 | 01h08

Foto: João Miguel Junior/TV GLOBO

Recém-chegada ao Brasil, Moro Anghiler, atriz argentina, ainda está se adaptando ao português. Rival de Grazi Massafera na nova novela da Globo Flor do Caribe, a moça – que participou do longa O Passado, de Hector Babenco – concordou em falar à coluna sobre o novo papa, seu conterrâneo Jorge Bergoglio.

O que achou de o novo papa eleito ser argentino?

É uma situação muito complexa. Precisamos esperar para ver o que isso representa para a política da Argentina. É necessário observar como se acomodam as peças desse grande quebra-cabeça.

Ele influenciará nos rumos do governo de Cristina Kirchner?

É bom refletir sobre isso. A política social e religiosa é um jogo.

Você é católica?

Sou crítica da Igreja, mas venho de uma família bem católica.

E do governo de Cristina Kirchner, é crítica também?

Não sou a favor do cinismo. É importante entender que, depois da ditadura na Argentina, esqueceu-se muito da política. E, nos últimos dez anos, voltamos a brigar pela construção de um país. Não sou opositora do governo. Temos hoje, na Argentina, uma reflexão mais profunda. Isso é muito positivo. Havendo um papa argentino ou não.

Como está sendo a experiência de fazer uma novela?

Estou gostando muito. A energia é ótima e a equipe, muito generosa. Acredito no produto que faço. /MARILIA NEUSTEIN

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: