A pedidos, universidade do sul “investiga” presença de israelenses

A pedidos, universidade do sul “investiga” presença de israelenses

Marilia Neustein

03 de junho de 2015 | 18h58

A Universidade Federal de Santa Maria pediu ao pessoal de seus programas de pós-graduação “o envio urgente de informações” sobre a eventual presença, em seus quadros, de “discentes ou docentes israelenses”.

A solicitação, feita pelo pró-reitor substituto, José Fernando Schlosser, atende a pedidos de algumas organizações, entre elas o Comitê Santamariense de Solidariedade ao Povo Palestino.

Não é a primeira vez que o comitê levanta o assunto junto a reitora. Em agosto passado, um de seus integrantes  o professor Gihad Mohamad, questionou sobre “possíveis relações” da universidade “com uma empresa do Polo Espacial Gaúcho”.

O temor do comitê, na época, segundo relato no site da universidade, era que a tal empresa pudesse “desenvolver tecnologia militar para Israel utilizar contra os palestinos”.

Zalmir Chwartzmann, da Federação Israelita do Rio Grande do Sul, afirmou que o caso é “muito triste” e que membros da comunidade judaica de Santa Maria já entraram em contato com a universidade.

Procurada, a UFSM ainda não se pronunciou sobre o caso.

 

Memorando da UFSM. Foto:Reprodução/Facebook

Tendências: