A noite de Roberto

A noite de Roberto

Redação

28 de maio de 2009 | 16h25

Foto: Marcos Hermes/Divulgação

Foi concorridíssimo – os ingressos se esgotaram em uma hora e 45 minutos, há semanas – o show beneficente Elas Cantam Roberto, terça-feira, no Municipal. Em noite de celebridades – no palco e na plateia – até Gilberto Kassab quase passou desapercebido. Chegou junto com Xororó e, tumulto montado, o prefeito, após dar um tempo no “tapete vermelho” atrás do pai de Sandy, desistiu e entrou sem maiores flashes.

Show impecável – com exceção da microfonia a cada revezamento das cantoras. E também da falha no som na entrada de Daniela Mercury, causada por um assessor seu que não deixou o contra-regra ligar o microfone na hora que a baiana entrou no palco. Vale palmas para Monique Gardenberg, que conseguiu tourear as 20 vozes femininas que participaram da homenagem aos 50 anos do Rei, bancadas por Itaúbrasil e Nestlé. Foram sentidas as ausências de Maria Bethânia e Gal Costa – que, no ranking das cantoras mais próximas a Roberto, só perdem para Wanderléa, a musa da jovem guarda.

Ganham palmas extras Marília Pêra, pela criatividade na interpretação, e Ana Carolina, pela escolha da canção Força Estranha. Simpatia total? Hebe foi hors concours. Mas emoção mesmo, registrada em nítido encolhimento de voz, foi a de Nana Caymmi. Pernas? Ninguém conseguiu bater Wanderléa. Impacto? O vozeirão de Alcione.

Fechadas as cortinas, depois dos parabéns a Ivete Sangalo, Roberto Carlos – elogiado pelo seu estilo Ricardo Almeida – impressionou a todos pela paciência e educação: recebeu, um a um, todos os convidados, lá ficando até o último ir embora.

Veja também:
mais imagensRoberto Carlos comemora 50 anos de carreira com show Elas cantam Roberto
mais imagensGaleria Vermelho tem estreia de exposição em dose dupla, de João Loureiro e Angela Detanico e Rafael Lain
mais imagensA homenagem das cantoras ao Rei no show Elas cantam Roberto

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.