À moda antiga

Sonia Racy

15 de dezembro de 2013 | 01h07

A ideia, com certeza, faria Bill Evans, John Coltrane, Miles Davis e muitos outros gênios do jazz voltarem do além para mais uma jam session.Em pleno século 21, o baterista Tuto Ferraz resolveu gravar seu mais recente CD, À Deriva, à moda antiga, com os músicos tocando juntos, sem fones de ouvido ou “truques” de edição. Parte de seu projeto Funky Jazz Machine (alusão às bandas de James Brown e Elvin Jones). Ao lado dos talentosos Pepe Cisneros, Agenor de Lorenzi, Josué dos Santos e Sidiel Vieira, Tuto acabou fazendo uma homenagem ao pai – cuja discoteca muito o influenciou. “Sempre gostei do jazz mais antigo”, diz. Basta ouvir as seis faixas de seu álbum para perceber que o rapaz (com diploma do Musicians Institute, de LA) tem a mesma verve de alguns de seus ídolos. Como não poderia deixar de ser, tudo embalado com ritmos tipicamente brasileiros, como o choro e o samba. Coisa muito fina!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: