A leoa e o Leão

Sonia Racy

20 de janeiro de 2012 | 23h09

Enquanto briga com juízes e magistrados, o CNJ faz operação paralela em contato direto com a Receita Federal.

Meta? Apressar a liberação de bens apreendidos pela Justiça: cerca de duas milhões de unidades que, nas contas de Eliana Calmon, valem em torno de R$ 2,3 bilhões. “Os galpões judiciais, por todo o País, estão abarrotados de mercadorias”, resume a corregedora baiana.

Parte da operação é o desmanche de aviões abandonados em aeroportos Brasil afora. “Isso vamos terminar em poucos meses”, promete ela.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.