A delicada rota para repatriar capitais

Sonia Racy

24 de junho de 2016 | 00h43

Na reunião que teve com seus ministros, na quarta-feira de manhã, Temer quis saber dos esforços para repatriação de capital. Hoje – é consenso dentro do governo – existem percalços. Tanto no aspecto criminal – receio de uma ação do MP – como no tributário, uma vez que está previsto pagar impostos sobre o que já foi gasto e não só sobre o que está depositado em conta.

Vontade 2

A Fiesp já formou uma comissão para estudar a questão. Acredita-se que até 31 de outubro haverá ajustes nas regras para assegurar a regularização de modo geral, havendo ou não a internação do capital não declarado.

Vontade 3

Um único escritório de advocacia está trabalhando com mais de 70 clientes dispostos a regularizar recursos que estão no exterior.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: