A crise do Rio no caminho da Olimpíada

Sonia Racy

18 de junho de 2016 | 01h46

A medida urgente decidida anteontem à noite no encontro de Temer, Meirelles e Francisco Dornelles — a decretação do estado de calamidade para o Rio, em função da grave crise financeira por ele enfrentada — foi emergencial. Mas não altera os caminhos da negociação agendada entre Fazenda e os secretários sobre as dívidas estaduais.

Esta, marcada para segunda-feira, é mais um passo — espera-se que o último — na busca de uma arrumação geral das finanças de todos os Estados, inclusive o do Rio. Com todos os presentes de olho na data-limite da da pelo STF para um acordo — a segunda-feira seguinte, dia 27

Por etapas 2

Primeiro, pela manhã, em Brasília, encontram-se os secretários de Fazenda com os técnicos do Ministério da Fazenda. Depois,+à tarde, é a vez de os governadores falarem com Temer para tentar fechar o pacote.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.