A conta do leve e do pesado

Redação

07 de janeiro de 2009 | 06h00

Quem se lembra de Lula comemorando a autossuficiência do petróleo? Pois é. Feitas as contas de 2008, a balança comercial brasileira fechou com um déficit de US$ 11 bilhões na conta-combustíveis – 45% do total do déficit registrado. Ou seja, o País pagou mais pelo petróleo importado do que ganhou pelo exportado.

Quer dizer que o Brasil não produziu tanto quanto consumiu? Não exatamente. Se compararmos o volume produzido internamente com a quantidade consumida, está tudo bem. Os números são parecidos.

O problema é que o Brasil consome petróleo leve e produz petróleo pesado. Portanto, exporta o pesado e importa o leve. Como o leve é mais caro, no fim dessa conta sobra um “buraco”. Que – olha a sorte de Lula batendo de novo… – tende a diminuir com a queda do preço do barril lá fora.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.