A bola pune

Sonia Racy

26 de maio de 2013 | 01h12

Carlos Miguel Aidar está preocupado com recente decisão do STJ que livrou a CBF de processo indenizatório movido por um torcedor – que se sentiu lesado por erro de arbitragem em jogo da Copa do Brasil de 2007.

O advogado teme que se abra um precedente pró-Máfia do Apito – caso de 2005, em que a Confederação e a FPF foram condenadas, em primeira instância, por supostos erros propositais de arbitragem.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.