Esquerda tem ‘expectativa positiva’ com novo PGR

Esquerda tem ‘expectativa positiva’ com novo PGR

Sonia Racy

26 de setembro de 2019 | 00h45

 

AUGUSTO ARAS. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

 

O chamado campo da esquerda, ao que se apurou, tem expectativa positiva, na área criminal, sobre Augusto Aras – que, por 68 votos a 10, tornou-se ontem o novo PGR.
“Esperamos que ele faça mudanças significativas”, resume Humberto Costa, líder do PT. Aras não é tido como “lavajatista” e já sinalizou ao Senado que pretende “corrigir excessos” da operação.

‘Expectativa positiva’ 2 

Já na pauta dos costumes – direitos humanos, diversidade –, o petismo e seus aliados não esperam avanços. Para Costa, “nesse aspecto, ele não vai fazer diferença”. Mais alinhado a Bolsonaro do que sua antecessora Raquel Dodge, Aras teve seis encontros com o presidente antes de ser o nome escolhido.

Amazônia em SP

Bruno Covas recebe amanhã Michel Miraillet, o embaixador da França no Brasil. No centro da agenda, a doação de recursos do Fundo Amazônia diretamente aos municípios brasileiros – aquele dinheiro oferecido por Noruega e Alemanha que Bolsonaro rejeitou em agosto.

A história começou no fim daquele mês, quando a Frente Nacional dos Municípios mandou ofício a todos os embaixadores de países do G-7 e da União Europeia propondo que os valores recusados por Brasília fossem investidos diretamente pelos prefeitos. Covas atua no setor de Mudanças Climáticas da Frente.

Direito à vida

O TJ paulista deu sentença de peso, dias atrás, sobre uma paciente de hospital que rejeitava transfusão de sangue por motivos religiosos. O desembargador Marrey Uint deu razão ao hospital .

Ele admitiu que as convicções religiosas da apelante são asseguradas por Constituição, mas “a vida deve prevalecer acima de qualquer liberdade de crença religiosa”.

Bem entendido

Alberto Toron, que defendeu João de Deus até julho passado, nega que tenha deixado a causa por falta de pagamento do cliente. E minimiza o incidente da semana passada, quando cruzou no MP paulista com Luiza Eluf, advogada de defesa de dez vítimas do médium.

No encontro, ele perguntou se ela “estava feliz” com a causa. “Sim, por estar do lado certo”, foi a resposta. Para Toron, a ex-procuradora “entendeu mal” a pergunta. Luiza é autora da ação que congelou os bens de João de Deus.

 

‘CRIAMOS AMBIENTES DE TRABALHO INSALUBRES’


JEFFREY PFEFFER. FOTO: YOUTUBE

 

Para Jeffrey Pfeffer, professor da pós-graduação em negócios da Universidade de Stanford, as pessoas atualmente estão literalmente “se matando por um salário”. Autor de 15 livros sobre a questão, o americano conversou com a coluna sobre os problemas trazidos pelo excesso de trabalho, sobre formas de lidar com esse desafio do mundo contemporâneo e as responsabilidades trabalhistas nos novos modelos de negócio, como Uber, Airbnb e outros aplicativos.

No seu último livro, Morrendo por um Salário, o sr. diz que 61% dos americanos tiveram problemas de saúde relacionados a estresse no trabalho. Em países subdesenvolvidos esse número é maior?
As evidências sugerem que estresse no trabalho é um problema mundial. Por excesso de trabalho, pessoas estão morrendo às milhares na China. Doenças crônicas, sintomas de saúde mental e depressão são problemas que estão praticamente em todos os lugares, porque nós criamos ambientes de trabalho insalubres.

É um problema mundial, mesmo com as diferenças culturais?
Nós acreditamos, incorretamente, que as pessoas são, de alguma maneira, dispensáveis e que elas sabem cuidar de si mesmas. Construímos um mundo em que ninguém se importa com o ser humano. Uma amiga professora me disse que a gente se importa mais com ursos polares do que com seres humanos. Enfim, nós pensamos que ursos polares ou cachorros são criaturas que precisam ser cuidadas, mas os seres não, porque humanos sabem cuidar de si mesmos.

Como o senhor enxerga as novas relações terceirizadas de trabalho, como no caso de aplicativos de serviços?
Nós desenvolvemos uma economia ao redor do mundo que tem uma premissa irresponsável. O Uber, por exemplo, não é responsável pelo trabalhador nem pelo cliente. Ele apenas liga o cidadão ao motorista. O Airbnb simplesmente conecta você ao seu anfitrião. O e-Bay apenas reúne compradores e vendedores. Nesse mundo que criamos, nós premiamos organizações que montaram uma plataforma e não assumem a responsabilidade pelo que fazem. Há 40, 50 anos atrás, nos EUA, as empresas se sentiam responsáveis pela comunidade, pelos trabalhadores e pelos clientes.

As pessoas utilizam o aplicativo de transporte porque é mais barato que pegar um táxi.
Não sei como é no Brasil, mas nos EUA não é barato. Porque os motoristas de Uber que não conseguem se sustentar usam o hospital público. O Estado é que está cuidando deles.

Acha que é papel do governo regular essas relações?
Sim. Existem leis e regulamentações de trabalho em todos os setores, mas essas empresas estão operando livremente. Você pode não ver o custo claramente, mas vá a São Francisco e você verá. Pessoas vivendo na rua e que não podem cuidar de si mesmas.

Muitas pessoas se orgulham de trabalhar muitas horas. Como mudar essa mentalidade?
Você precisa mostrar os danos. Quanto maior a quantidade de horas trabalhadas, maior a sua pressão arterial. No final das contas, as pessoas estão literalmente morrendo por um salário. Elas têm que aprender a dizer não.

Como acha que está a situação nos Estados Unidos no momento?
Nada boa. De modo geral, as horas de trabalho aumentaram e os benefícios, incluindo pensões e seguro saúde, diminuíram. Há mais espaço para instabilidade financeira e demissões. Para uns está tudo bem e para outros, não está.

Como seria possível melhorar essa relação?
Um caminho seria conversar com as pessoas para quem se trabalha, mostrar o custo dessas mudanças. Quando doentes e estressadas, as pessoas desistem e isso acaba ficando caro. Elas se tornam improdutivas, cometem mais erros.

Acha que em dez anos estaremos melhor?
Espero que estejamos trabalhando menos. Nos EUA vemos 400 médicos se suicidando por ano, o estresse das pessoas na faculdade… Não é sustentável. Dá pra imaginar que o custo com a saúde vai continuar aumentando. /MARCELA PAES

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: