Oito chanceleres discutem Venezuela no celular

Sonia Racy

03 Maio 2017 | 00h45

O grupo de WhatsApp dos chanceleres latino-americanos, de que participa o ministro Aloysio Nunes, viveu uma manhã agitada, ontem, avaliando a iniciativa de Nicolas Maduro de convocar uma assembleia constituinte a ser eleita, em grande parte, por grupos e comunidades sob controle do governo.

Na intensa troca de mensagens, segundo apurou a coluna, buscou-se uma posição comum dos governos de Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai, Peru, Chile, Colômbia e México quanto aos rumos que a Venezuela está tomando.

Venezuela no celular 2

Ou seja, quando o chanceler brasileiro falou pela TV, chamando o ato de Maduro de “um golpe, mais um momento de ruptura da ordem democrática”, embora falando em nome pessoal informalmente o fazia em nome de oito países.

Toron aplaude STF por 
habeas corpus dado a Dirceu

O  advogado Alberto Toron não escondeu a satisfação com a “decisão histórica” do STF – o habeas corpus dado ontem a José Dirceu.

O tribunal, afirmou o criminalista, “resgata seu papel de guardião da liberdade, remarcando a ilegalidade de se prender preventivamente como forma de punição antecipada”.

Dirceu ‘rouba a cena’ e dá folga
a parlamentares em Brasília 

Não foram poucos, no Congresso, os parlamentares que respiraram aliviados, ontem, ao perceber que José Dirceu havia “tomado conta” do mundo político no dia – o que lhes garantia uma “folga” nos espaços da mídia.

É que, de manhã, veio a nova denúncia da PF contra ele. Mais tarde, foi o julgamento no STF e a concessão de habeas corpus ao ex-ministro.

Eunício comanda o Senado
de hospital em São Paulo

Eunício de Oliveira não conseguiu alta do Sírio-Libanês para reassumir a Presidência do Senado, mas não se desligou de Brasília. Tem feito seguidas ligações para seu vice, Cássio Cunha Lima, e, por mensagens no celular, passou ordens à secretaria-geral da Mesa e para os encarregados de tocar a negociação – dentro das comissões – a respeito da reforma trabalhista.

 

Justiça derruba liminar a autoriza
Petrobrás a vender Carcará à Statoil

O próprio Pedro Parente deu a notícia ontem, em palestra em Houston, na Offshore Technology Conference: a Petrobrás conseguiu reverter, no TRF-5, no Recife, a liminar dada por um juiz federal de Sergipe que proibia a venda do Campo de Carcará para a Statoil.

A decisão é importante para os planos de desinvestimento da estatal — afinal, representa uma entrada de R$ 2,5 bilhões para seus cofres. Mas não é definitiva. A advogada dos petroleiros, que contestam os critérios de negociação, já disseram que vão recorrer.