Processo da Oi em cima do muro

Sonia Racy

10 Março 2017 | 00h45

Por mais que o governo Temer fuja e queira ficar longe da problemática da Oi, essa posição em cima do muro está ficando cada dia mais difícil. Há quem acredite, no âmbito das negociações, que sem intervenção direta da Anatel no processo dificilmente ele sairá do lugar.

Por outro lado, há o medo de o governo escolher um vencedor como Nelson Tanure – cujas práticas de compra e venda de empresas são conhecidas no mercado.

Em cima do muro 2

Qual a força de Tanure? Ele controla, em parceria com nove fundos, algo como 30% dos votos da empresa. E está aumentando a influência no conselho de administração.

Quem dá mais?

Se nenhuma pedra entrar no caminho, o governo Temer faz, quinta-feira que vem, seu primeiro leilão de privatização. O dos aeroportos de Florianópolis, Porto Alegre, Salvador e Fortaleza.

Olha eu aqui

Brigando por uma verba de R$ 550 milhões, agências de publicidade arrumaram um jeito de tentar desqualificar a agência que está em primeiro lugar na disputa – a Propeg. Implicada na Lava Jato.

A estatal, por lei, não pode impedi-la de concorrer.

No ar

Player novo no mercado de concessões (foi aprovado para disputar rodovia em SP), o Pátria Investimentos não participará “de par” com a canadense AviAlliance, como previsto. Mas está dentro.

No ar 2

Foi importante a decisão do Procon de entrar como amicus curiae — uma consultoria auxiliar — na ação proposta pela OAB contra decisão da Anac que autoriza empresas aéreas a cobrar pela bagagem.

A argumentação da instituição foi proveitosa para a Ordem, ao defender a tese de que o transporte de bagagem é acessório e integra o serviço principal.

O pai das águas

Temer e uma multidão de políticos fazem festa na segunda-feira, na Paraíba, com a chegada das águas do São Francisco à barragem de Poções, beneficiando toda a região de  Campina Grande.

E o PT também bate bumbo no seu site, com matéria de destaque dizendo “Lula e Dilma fazem o sertão virar mar”. A obra começou em 2007.

Dia da Mulher

O MPF vai recorrer da decisão da Justiça Federal em Petrópolis que rejeitou, no Dia das Mulheres, denúncia contra o militar conhecido como Camarão. Ele é acusado de ter torturado, na famosa Casa da Morte, Inês Etienne Romeu, morta em 2015.