Mercado esperava mais do que agenda anunciada por BC

Sonia Racy

21 Dezembro 2016 | 00h50

Deu para entender que um dos principais objetivos da agenda anunciada ontem por Ilan Goldfajn é tornar o crédito mais barato de forma gradual. Entretanto, houve desapontamento com o discurso do presidente do BC.

Boa parte do mercado esperava avanço maior, para além do recente pacote anunciado na semana passada por Temer.

Fonte de fundo de investimento chega a ironizar: “O BC está sendo minimalista nos juros e agora, minimalista nas micro medidas”.

Mínimo 

Há quem se pergunte: se a situação é tão ruim, por que as empresas brasileiras não estão quebrando “em série”? Explicação de um banqueiro: porque elas estão na terceira ou quarta renegociação de dívidas.

Os bancos não têm o menor interesse em empurrá-las para o abismo.

Claro, escuro

Uma boa e uma má notícia para os contribuintes. Avança na Câmara projeto que obriga empresas de energia elétrica a retirar ou deslocar postes e redes quando o cidadão der boa razão para isso.

A má notícia? O consumidor é quem vai pagar a conta.