Jurista alera para ‘operação casada’ em anista do caixa 2

Sonia Racy

25 Novembro 2016 | 00h55

No debate sobre anistiar o caixa 2, o jurista Ary Oswaldo Mattos Filho chama a atenção para a “operação casada”: aprovar essa medida e, ao mesmo tempo, permitir que parentes de políticos possam repatriar recursos.

Se a lei passar nesses termos, explica o jurista, abre-se brecha interessante para um político que recebeu altos valores no passado, gastou parte em campanha eleitoral e o resto foi para a conta de um parente na Suíça.

Como era caixa 2 anterior à lei, não há como punir. E, dentro da nova regra, o parente pode repatriar recursos normalmente. O dinheiro volta ao País sem pecados.