BORDAR E CRESCER

BORDAR E CRESCER

Sonia Racy

13 de setembro de 2015 | 01h34

Nos últimos dois anos, a carioca Mucki Skowronski tem atuado junto a mulheres do povoado de São Sebastião da Cova da Onça, na ilha de Boipeba, na Bahia. “Conheci esse pequeno povoado e senti necessidade de criar novas possibilidades de trabalho para os 700 habitantes, que hoje vivem exclusivamente da pesca”, explica a artista plástica, que fez de sua nova atividade uma paixão central.

É fato que a pesca de caranguejos – de onde vem grande parte do sustento desses baianos – será proibida a partir de dezembro. E oferecer alternativas virou fonte de alegria para Mucki. Depois de alguma pesquisa, ela resolveu construir um espaço para abrigar o que batizou de Casa da Onça – local onde as bordadeiras recém-capacitadas vão produzir suas criações e, porque não, as de terceiros. “Espero que haja interesse dos outros em usar a mão de obra já treinada.”

Hoje, para se ter uma ideia, algumas das peças bordadas levam um ano para serem executadas. No futuro, com agilidade e experiência, a produção poderá ser bem maior.

Tendências: