150 minutos

Sonia Racy

09 de dezembro de 2015 | 01h14

Nos cálculos de aliados de Temer, a carta a Dilma vazou duas horas e meia após ser enviada a Brasília. Escrita de próprio punho, ela foi digitada pela secretária do vice, em São Paulo, após almoço com assessores – tudo a portas fechadas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: