100% fashion

Sonia Racy

27 de dezembro de 2011 | 23h01

Patrick Brennan é VP da Hearst Magazines International – que edita, entre outras, Harper’s Bazaar, uma das bíblias da moda no mundo, com 144 anos de existência. Ele esteve no Brasil para o lançamento da edição nacional da revista e falou com exclusividade à coluna.

Qual o investimento da Hearst na Bazaar Brasil?
Cerca de R$ 15 milhões.

Por que a demora em trazer a revista para o País?
A Hearst está presente no Brasil há muitos anos, via Editora Abril, que publica nossa Nova/Cosmopolitan. No caso de Bazaar, queríamos ter certeza de encontrar o parceiro certo, na hora certa, para lançar a revista. Além disso, a Abril tem uma série de títulos no mercado da Bazaar; daí escolhermos a Carta Editorial, que ostenta mais de 30 anos de comprometimento com o mundo da moda.

Qual a estratégia para vencer em um mercado que conta com revistas como Vogue e Elle?
Bazaar Brasil terá o verdadeiro DNA da marca Harper’s. Ou seja, será inovadora, trará moda acessível a suas leitoras com o frescor, a elegância e o visual deslumbrante que a fazem conhecida no mundo inteiro. Também ressaltaremos o País, excitante, com perfis de novos designers brasileiros – para conquistar mercado.

Que diferenças o senhor vê entre Bazaar e suas rivais?
Algo que sempre me impressionou foi a qualidade das revistas de moda no Brasil. Mas sinto que Bazaar tem uma efervescência única. Nossa cobertura do mundo da moda é diferente – até porque temos conexões muito fortes em todo o planeta. Somos o “new kid on the block” do Brasil, o que nos permite experimentar coisas novas e originais.

Há mais revistas da Hearst vindo por aí?
Trabalhamos estreitamente com a equipe da Carta Editorial para moldar as estruturas comercial e editorial da Bazaar. Esperamos continuar este trabalho e aprofundar a relação para trazer mais títulos nos próximos anos.
/DANIEL JAPIASSU

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.