PARTE 5 – BETO ANDREETTA, O CENÓGRAFO: DE OLHO NA SURPRESA

Estadão

24 de maio de 2010 | 00h40

BETO ANDREETTA, entrevistado pela cenografia de FILHOTES DA AMAZÔNIA.

Beto Andreetta: cenógrafo premiado da Cia. Pia Fraus

Beto Andreetta: cenógrafo premiado da Cia. Pia Fraus

 

QUEM É BETO ANDREETTA Há 26 anos na Cia. Pia Fraus, Beto Andreetta, de 48 anos, ganhou o Prêmio APCA de melhor cenografia por ‘Filhotes da Amazônia’, entre muitos outros prêmios. Já atuou com os grupos XPTO, Parlapatões e Acrobático Fratelli e ajudou a criar o Circo Roda Brasil. Para adultos, fez recentemente ‘Primeiras Rosas’, baseado em contos de Guimarães Rosa.

Cena de 'Filhotes da Amazônia': cenário guarda uma surpresa no final

Cena de 'Filhotes da Amazônia': cenário guarda uma surpresa no final

SERVIÇO DA PEÇA: Tucarena (600 lugares). Rua Monte Alegre, 1.024, telefone: 2626-0938. Sáb. e dom., 16h. R$ 30. Até 30/5.

A ENTREVISTA:

Ao pensar num cenário para peça infantil, você pensa inicialmente no quê? Nas cores? Nas formas? No espaço?

Beto Andreetta – Em realidade, eu sou cenógrafo de um grupo só, a Pia Fraus. Como meu papel no grupo é o de conceber os espetáculos, as ideias chegam já se completando. O cenário está integrado a toda a ideia da encenação.

Há algo que você considere como pecado mortal quando se fala em cenografia para teatro infantil, algo inadmissível e equivocado?

Beto Andreetta – Acho que o tempo de cenários descritivos – reprodução da realidade – já passou. Prefiro os cenários sugestivos, que permitam surpresas.

Em Filhotes da Amazônia, seu cenário prima pela simplicidade e funcionalidade, surpreendendo a todos no final, com a transformação que se revela. Fale um pouco dessa sua criação.

Beto Andreetta – Eu estava em Manaus, no projeto Palco Giratório, e contei o roteiro de Filhotes para o Vinícius, um dos atores, e ele comentou que estava faltando uma estória de tartaruga. Eu fiquei pensando naquilo e me veio a ideia da tartaruga ser o centro da estória, o invólucro, onde tudo acontecia. No mesmo dia, ainda em Manaus, fui visitar um centro cultural em forma de uma grande oca e fiz as associações entre oca e tartaruga. Depois, foi só buscar as soluções de criar várias aberturas nessa oca/tartaruga, que dessem a sugestão da oca conter toda a natureza, como o rio, a própria floresta, a aldeia… E quando a tartaruga se materializa é prazeroso ver a surpresa nas pessoas, porque ela estava lá todo o tempo e as pessoas só notam no final.

Você acha que, ainda hoje, as produções infantis têm de pensar em cenários mais fáceis de montar e desmontar, pensando no pragmatismo de liberar o palco o quanto antes para a peça adulta que virá a seguir?

Beto Andreetta -Talvez eu seja uma voz dissonante, porém eu acho que as produções devem, sim, se adequar à essa realidade de monta/desmonta do cenário. O teatro é um prédio muito complexo e caro, ele deve ser utilizado ao máximo, abrigar várias produções. Eu não vejo como problema, vejo como uma situação que deve ser enfrentada com criatividade e competência técnica.

Numa peça para crianças, quais as dificuldades de se retratar o Brasil (bichos, matas, personagens)? Há o risco constante do didatismo e de se reproduzir estereótipos escolares?

Beto Andreetta – Nos 26 anos de Pia Fraus, realizamos 20 diferentes espetáculos, viajamos por 20 países diferentes e por todo o Brasil. Percebemos que os espetáculos bem brasileiros que produzimos geram grande interesse dentro e fora do País. Somos apaixonados pelo Brasil e toda a sua cultura é fonte riquíssima de inspiração para o grupo. A própria cultura popular brasileira criou soluções brilhantes de representação em todas as suas variantes – artesanato, dança, música etc… Sempre procuramos trabalhar com artistas que gostem de pesquisa e também de ousar. Creio que isso nos ajuda a sempre tentar coisas novas.

Que cenários recentes ou não, de teatro infantil, você citaria como exemplares e por quê?

Beto Andreetta – Gostei muito do cenário do Serroni em O Colecionador de Crepúsculos, direção de Vladimir Capela, pela monumentalidade e solução de materiais, todos de custo baixo e grande impacto final.

O fato de atuar como diretor e ator e, ao mesmo tempo, fazer o cenário da própria peça, deve trazer vantagens e desvantagens, não? Quais?

Beto Andreetta – A Pia Fraus é um grupo muito autoral. Criamos a concepção geral dos espetáculos. Isso eu considero um fator positivo do trabalho. Você está em cena mais convicto da verdade do espetáculo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: