CORRA PRO CIRCO RODA, HOJE TEM O SENSACIONAL MUSICAL ‘PARAPAPÁ’!!!!!

Estadão

08 de maio de 2010 | 12h12

Quer uma boa dica para toda a família neste fim de semana nublado/chuvoso paulistano? Corra pro circo. Isso mesmo, para o Circo Roda, mais uma vez armado com impecável produção no Memorial da América Latina, na Barra Funda. Há alguns anos, é um picadeiro dividido pelas premiadas trupes dos Parlapatões e do Pia Fraus. Estão com dois espetáculos em horários alternativos. Um é dos Parlapas, o Parapapá – Circo Musical, o outro é do Pia, o Bichos do Mundo. Este último é um espetáculo de criatividade ímpar, com bonecos, cenografia e trilha impactantes, sem texto. Você não vai se arrepender. O horário é 17h30.

Parlapatões com a Banda Paralela: humor com música de primeira

Parlapatões com a Banda Paralela: humor com música de primeira

Mas quero falar mais aqui do novo dos Parlapatões, o Parapapá! – Circo Musical, dirigido por Hugo Possolo e Henrique Stroeter (este último, também em cena).  Pra ver esse, vocês têm de correr mais, almoçar mais cedo, porque o horário é 15h30, mas como vale a pena. Digo a vocês que, na  minha opinião, é o melhor acerto até agora do grupo, no Circo Roda. Tudo é azeitado, tem uma dramaturgia que funciona bem, agradáveis números de circo físico, de clowns e de bonecos. E a trilha é deslumbrante, a cargo da Banda Paralela, que fica quase o tempo todo em cena, mostrando muitas e muitas canções que têm o circo como tema, em ritmos contagiantes e arranjos de um apropriado alto-astral. Você vai conhecer  todas as canções, garanto.  E vai cantar junto com eles.

Sem falar que a história que permeia tudo é singela, poética, simples, sem a menor pretensão de ser a melhor peça teatral dos últimos tempos, mas conseguindo a difícil proeza de casar bem circo e teatro, o que o próprio grupo já tentou fazer muitas e muitas vezes, mas nunca com tanta harmonia. O ator Raul Barreto nunca esteve tão bem escalado. Grandalhão, desengonçado, com voz forte, ele faz um menino de rua, sim, o menino, e se sai muito bem. Eu próprio já escrevi que Raulzão é “pesado” em cena para certo papeis, mas agora torçam meu braço, porque ele está no seu melhor momento, um encanto de contraste entre o ator de boa presença física e o personagem franzino e carente.

O menino só sabe brincar sozinho, na rua. De forma divertida e com empatia, conta para a plateia os jogos e brincadeiras solitárias que aprendeu na dura lida da vida. Eis que o circo lhe proporciona a chance de aprender a “brincar junto”. Quer tema mais tocante? Emoção à flor da pele. O roteiro é de Hugo Possolo.

Repare na cena dos guarda-chuvas que viram bichos. É criativa até não poder mais. Incrível de boa. O clown que não consegue equilibrar o ovo no prato é divertidíssimo. A  plateia vai ao delírio no final quando, só na hora dos agradecimentos, ele faz o número certo. Lindo, lindo, lindo. Belíssima sacada. Não falta a bailarina no trapézio, o palhaço apaixonado por ela, as brincadeiras de bom gosto com a plateia, o jogo verbal dos trocadilhos de palavras, os figurinos vistosos, enfim, um programão completo.

Todos os saudosos artistas dos circos mambembes de antigamente devem estar aplaudindo muito este Parapapá, dos Parlapatões, em algum lugar da eternidade, em uma galáxia com cheiro de serragem. Vá fazer isso você também e veja como vai limpar sua alma pela hora e pouco que dura o espetáculo.

SERVIÇO:

CIRCO RODA. Memorial da América Latina. Portões 8 e 15. Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 664, Barra Funda, tel. 3867-2398. Sábado e domingo, às 15h30, Parapapá, e às 17h30, Bichos do Mundo.  Ingressos a R$ 20. Até 27 de junho.

Tudo o que sabemos sobre:

Circo RodaParapapáParlapatõesPia Fraus

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: