Um novo nome para a livraria da Ponte Cidade Jardim

Estadão

28 Fevereiro 2012 | 18h17

Numa das alças da Ponte Engenheiro Roberto Rossi Zuccolo, mais conhecida como Ponte Cidade Jardim, fica uma praça chamada Deputado Dario de Barros. Naquele local, funciona desde 1971 o Varanda, que começou como uma quitanda e hoje é um supermercado chique. Já se localizou? Pois ao lado do Varanda existe um outro imóvel que abriga uma farmácia e uma livraria, que  já mudou de nome quatro vezes, mas que continua nas mãos de uma só família.

Em 12 de janeiro passado, a Livraria do Alto abriu as portas no lugar da Saraiva que funciona ali. Ela tem esse nome por ter sido inaugurada no bairro do Alto da Boa Vista em 2009. A proprietária, Sueli Dias Bianchi, não é estranha ao local. Foi seu pai, João Francisco D’Artagnan Bianchi, quem construiu aquele imóvel em 1974.

D’Artagnan – que tinha um irmão chamado Aramis, assim como outro personagem de Os Três Mosqueteiros – era proprietário de uma banca de jornal na praça. Com o crescimento das vendas de periódicos e livros, fez um investimento e construiu o prédio de dois andares da Livraria e Banca Cidade Jardim. “Era um lugar de encontro”, diz Sueli. “Os moradores da região iam comprar livros na banca e tomar água de coco no Varanda, que ainda nem imaginava chegar ao tamanho que tem hoje”.

Sueli, que tinha 7 anos quando a livraria foi inaugurada, viu o imóvel ser alugado para a Siciliano em 1999. “Meu pai precisava descansar um pouco dos negócios, então optou por ceder o espaço para a rede”, afirma Sueli. Mas o imóvel continuou pertencendo à família de D’Artagnan. Quando a Siciliano foi comprada pela Saraiva, o estabelecimento mudou de nome novamente. No final do ano passado, o contrato com a rede venceu , e a empresa não demonstrou interesse em renová-lo.

“Decidi voltar para cá, onde tudo começou”, conta a empresária. Assim que a Saraiva entregou o imóvel, Sueli retirou a Livraria do Alto da Avenida Vereador José Diniz e, em uma semana, já estava com a loja funcionando em Cidade Jardim. O prédio ainda sofre reformas, que devem durar até o fim de março. De acordo com a proprietária, o abastecimento de títulos está melhorando aos poucos e deve ficar em estado pleno junto com o final das obras.

A nova mudança de nome assustou alguns clientes da região. “Muitos estão apegados às grandes redes de livrarias, mas tudo muda quando explico que foi minha família que criou este ponto”, diz Sueli. “Queremos reviver o espaço do jeito que era quando administrado pelo meu pai”.

Serviço:
Livraria do Alto
Pça. Deputado Dario de Barros, 15, Ponte Cidade Jardim, 2366-3433

(Com colaboração de Míriam Castro)