"Trair e Coçar" chega ao 21º teatro em São Paulo

Estadão

15 Fevereiro 2013 | 15h18

A peça “Trair e Coçar é Só Começar”, de Marcos Caruso, coleciona números absolutamente grandiosos. No mês que vem, ela completará 27 anos em cartaz – fato que já a colocou no Livro dos Recordes como a mais longa temporada ininterrupta do teatro nacional. Teve 86 atores diferentes no papel dos nove personagens da trama. O público bateu a marca de 6 milhões de pessoas em 9 mil apresentações. Na cidade de São Paulo, o espetáculo tem outro número bastante curioso: “Trair e Coçar” foi encenada em 21 teatros e sete clubes diferentes.

A peça estreou em São Paulo no Teatro Maria Della Costa em 24 de agosto de 1989 – dois anos e meio depois de uma temporada no Rio de Janeiro. Ficou em cartaz ali até 23 de fevereiro de 1992. Em 6 de março do mesmo ano, “Trair e Coçar” já estrearia no Teatro João Caetano. O teatro que ficou com o espetáculo por mais tempo foi o Záccaro, no Bixiga, entre 02/04/1992 e 03/09/1995. O Záccaro, com seus 1 200 lugares, ganhou o título de maior teatro em que a peça já se apresentou. A coroa de menor ficou com o União Cultural (285 poltronas).

Nos anos de 2000 e 2001, o diretor Attílio Riccó chegou a arrendar o Teatro Gazeta. Em 2007, a peça ficou em cartaz na cidade em dois teatros diferentes. Às terças e quartas no teatro do Pátio Higienópolis e, de sexta a domingo, no Teatro Jardim São Paulo.

A nova temporada, que começou no dia 18 de janeiro e vai até 31 de março, serviu para inaugurar o Teatro Fernando Torres, no bairro Tatuapé. A casa, com 690 lugares, foi construída pelo Colégio Agostiniano Mendel.  Em 19 de agosto do ano passado, a escola recebeu a atriz Fernanda Montenegro, viúva de Fernando Torres (1927-2008), para a cerimônia de abertura do teatro.  Foi um evento fechado, que contou apenas com a direção da escola, convidados e um representante de cada sala de  aula.

A peça “Trair e Coçar” tem se especializado em inaugurar teatros. Além do Teatro Fernando Torres, a trupe foi a primeira a se apresentar em outros cinco:  Teatro Eva Wilma, Teatro Jardim São Paulo, Teatro Anhembi-Morumbi, Teatro Municipal de Ubatuba-SP (Centro do Professorado Paulista) e Teatro do Liceu (Campinas-SP).  “Para nós, atores, inaugurar um teatro é sempre um momento de muita emoção”, conta Anastácia Custódio, a 13ª atriz a interpretar o papel da empregada Olímpia.

Veja a lista dos teatros e clubes por onde a peça já passou em São Paulo:
Teatro Arthur Azevedo
Teatro Anhembi-Morumbi
Teatro Bibi Ferreira
Teatro Cultura Artística
Teatro Eva Wilma
Teatro Folha
Teatro Gazeta
Teatro Imprensa
Teatro Juca Chaves
Teatro Jardim São Paulo
Teatro João Caetano
Teatro Maria Della Costa
Teatro Paulo Eiró
Teatro Paulo Autran
Teatro Raul Cortez
Teatro Ruth Escobar
Teatro Santo Agostinho
Teatro Sérgio Cardoso
Teatro União Cultural
Teatro Záccaro
Clube Atlético Ypiranga
Clube Atlético Juventus
Clube Militar
Clube Guapira
Clube Pinheiros
Clube Hebraica
Clube Paulistano

Serviço
Teatro Fernando Torres
Rua Padre Estevão Pernet, 588, Tatuapé
Horários: Sextas, 21h30; sábados, 21h, e domingos, 19h
Informações:(11) 2227-1025 e 4003-1212
Indicação Etária: 12 anos
Duração: 120 minutos

(com colaboração de Beatriz Duarte e foto de divulgação)