Recado para a construtora: "Não matem a pitangueira!"

Estadão

07 de março de 2012 | 23h49

Há quatro meses, cinco casas da Rua Caetés, em Perdizes, estão marcadas para demolição. Tapumes da construtora Exto, responsável pela obra, denunciam que os imóveis darão espaço a um novo condomínio residencial. Nas placas de madeira, uma mensagem apócrifa pede: “Não matem a pitangueira!”. Feito em tinta preta, simples e direto, o pedido se refere à árvore que fica em meio à área interditada para a construção.

A pitangueira fica em frente à casa de número 84, um imóvel de dois andares. Sua folhagem ultrapassa a altura do sobrado, que já foi sede da Everest Imóveis – empresa que, desde o final do ano passado, mudou-se para a Rua Paulistânia, na Vila Madalena. Maria Lúcia Ramalho Munhoz, que comanda a imobiliária desde 1989, conta que a árvore ainda era pequena na época. “Era pouco mais alta do que uma pessoa”, diz a empresária. “A árvore cresceu junto com a gente ao longo das décadas”. Em época de pitanga, de outubro a janeiro, a árvore ficava carregada com as frutinhas vermelhas. O azar era de quem estacionava o carro debaixo dela. “Quando as frutas ficavam maduras, era uma sujeira só”, conta Maria Lúcia. O chão precisava ser varrido duas vezes ao dia.

Procurada pelo Blog do Curiocidade, a construtora Exto afirma que “fará o possível para que a planta permaneça no terreno, mas que isso dependerá de uma avaliação da Prefeitura Municipal na época de execução da obra”.

(Com colaboração de Míriam Castro)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: