Cultura vive dias de tensão

Cristina Padiglione

26 Abril 2007 | 16h57

A dispensa de Albino Castro do cargo de diretor de jornalismo da TV Cultura antes mesmo que se consume a eleição de Paulo Markun para a presidência da Fundação Padre Anchieta fez a atmosfera pesar nos domínios da Água Branca.

Albino foi dispensado anteontem e, com ele, mais três profissionais que lhe eram diretamente subordinados. Vendeta, crê Albino. “Imaginar que a nova gestão tenha outros planos para o jornalismo é natural, mas por que dispensar outras pessoas só por serem ligadas a mim?”, questiona.

Albino não está nos planos do próximo presidente da casa, que tem o apoio do governador José Serra para assumir a Cultura. Assim, seria de bom tom que o desconforto de dispensá-lo ficasse a cargo do atual presidente, Marcos Mendonça. Também não seria de bom tom deixar para a nova gestão os custos da dívida da TV Cultura com o dispensado. Como ele teria mais um ano de contrato a cumprir, vem aí a tal da multa rescisória.

Em tempo: Alexandre Machado fica como diretor internio até a posse de Markun.

E Mendonça tem pedalado para lançar “obras inacabadas”, ou seja, projetos que estavam previstos para junho ou julho e que vêm sendo anunciados a toque de caixa, só para não ficarem à mercê da próxima gestão, que começará em 12 de junho.