Tchu-tchá não incomoda. Até rende direitos autorais à Som Livre

Tchu-tchá não incomoda. Até rende direitos autorais à Som Livre

Cristina Padiglione

28 de agosto de 2012 | 16h30

            A atriz Cacau Protásio, a Zezé, que cantou o hit ainda no capítulo de sábado

 

O jornalista Daniel Castro revelou ontem, em seu blog, no portal R7, que o hit transformado em jingle de José Serra, “Eu Quero Tchu, Eu Quero Tchá”, bombada à exaustão pela novela Avenida Brasil, pertence à Som Livre, braço das Organizações Globo.

Desde quarta-feira, quando a campanha eleitoral teve início e a canção surgiu no horário político, questionei a Globo sobre a permanência da música na novela. Tudo o que a CGCom, assessoria de imprensa da casa, conseguiu me responder, foi que a responsabilidade sobre o uso da canção não cabia à emissora. Insisti em uma resposta objetiva: afinal, a música sai ou não da novela? E obtive da Globo a seguinte reação, por escrito: “Como esclarecido, a Globo incorporou na sua trilha uma música existente e popular antes da novela, por isso não se caracteriza como apropriação de um elemento oriundo da novela. Não vamos tirar a música apenas porque está incomodando a colunista”.

A colunista não quis incomodar quem a acusa de incomodada, mas fica mesmo incomodada com falta de resposta objetiva para perguntas igualmente claras. É essa minha maldita mania de querer fazer jornalismo diante de comunicados protocolares do mundo corporativo.

Tendências: