Suplicy ensaia diálogo com ‘bisavô’ Matarazzo de nova série do History

Suplicy ensaia diálogo com ‘bisavô’ Matarazzo de nova série do History

Cristina Padiglione

24 de maio de 2016 | 02h27

Suplicy

 

Foi na Casa das Caldeiras, antiga fábrica dos Matarazzo, que o canal History apresentou na noite desta segunda-feira a série Gigantes do Brasil a jornalistas e aos profissionais envolvidos em sua produção. Em quatro episódios que mesclam dramaturgia, depoimentos de historiadores, computação gráfica e esmero na produção de arte e figurino, o título enfoca a trajetória de quatro empreendedores visionários: Francesco Matarazzo, Percival Farquhar, Giuseppe Martinelli e Guilherme Guinle. A produção, tratada como a primeira grande produção do History no Brasil, é da Boutique Filmes.

Deu-se que depois de exibir um pequeno trecho de cada episódio, o ex-senador Eduardo Suplicy, convidado pelo canal em razão de seu DNA como Matarazzo, discursou brevemente sobre a façanha do bisavô, que cruzou o Atlântico com bebê pequeno e mulher a tiracolo, e perdeu toda a carga de banha que trazia consigo no navio, como mercadoria que lhe daria um primeiro financiamento de sua estada no Brasil.  Suplicy não demorou a explicitar que gostaria de ter tido a oportunidade de travar determinados diálogos com o bisavô, e logo passou a se referir a Tadeu Di Pietro, intérprete do personagem na série, como se fosse ele próprio o bisavô com quem gostaria de falar.

E falou. Falou de empreendorismo, de investimentos, de gente, e, em segundos, já falava em distribuição de renda, citando os preceitos de seu constante projeto, o Renda Mínima. Disse ao ‘bisavô’ que ele poderia ter premiado seus funcionários com alguma participação nos lucros e que, se assim fosse, quem sabe os empregados das indústrias Matarazzo não teriam se empenhado em manter o negócio de pé, produzindo, com entusiasmo?

Di Pietro entrou no jogo. Concordou com o ex-senador e concluiu contando que seu pai trabalhara para os Matarazzo.

Aplausos.

Retratando um país carente de infra-estrutura, do século 19 até a metade do 20, Gigantes do Brasil avança também sobre as histórias de Farquhar (vivido por Alexandre Barros), Martinelli (por Fernando Nitsch e Guinle (Ricardo Monastero). O conde Franceso Matarazzo é também interpretado por Renan Paini, quando jovem.

A proposta é retratar  e resgatar aquele Brasil de empresários ousados, dispostos a investir alto por aqui.

Estreia dia 4, às 21h45.