Show de Mateus Solano vale recorde a ‘Amor à Vida’

Show de Mateus Solano vale recorde a ‘Amor à Vida’

Cristina Padiglione

19 de novembro de 2013 | 15h00

Com sequência digna de ficar para a história da teledramaturgia (obra de Mateus Solano), o capítulo de ontem da novela das 9 da Globo, Amor à Vida, bateu seu recorde de audiência em São Paulo, com 43 pontos de média, e no Rio, onde o saldo foi de 49 pontos.

Na Pauliceia, 67% dos televisores ligados no horário sintonizavam o folhetim de Walcyr Carrasco. No Rio, a participação da Globo entre o total de TVs ligadas chegou a 72%.

Convenhamos, é muita coisa para esses tempos em que a gente pode ter mais de 100 canais em casa, internet e as Netflix da vida, sem falar nos Candy Crushs e games na tela do celular, né não?

Ao ser desmascarado diante de toda a família, Félix nos mostrou um ator irrepreensível e despertou em Paolla Oliveira a melhor performance de sua vida até aqui, sob uma precisa direção de Mauro Mendonça Filho.

Pena que o texto se deu ao trabalho de mastigar tudo para o telespectador, sem lhe dar a mínima chance de pensar. O tom de jogral, com César (Antonio Fagundes) e Bruno (Malvino Salvador) se alternando nas falas acusatórias, conspirou a favor da mexicanização da narrativa.

Era dispensável que César (Antonio Fagundes) explicasse que a secretária “cadela” o ajudou a colher suas impressões digitais. Por que não permitir que o público imaginasse algum caminho, nada inacessível, para tanto? Por que até não deixar isso para outra ocasião? Para um barraco daquelas proporções, soaram fake as explicações nos mínimos detalhes e a chance que todos tiveram de se expressar, sem serem interrompidos.

Faltou um pouco daquele clima que a sala da mansão do Tufão (Murilo Benício) nos entregava, em Avenida Brasil, com todos falando ao mesmo tempo, sem que o espectador deixasse de compreender o que deveria se compreendido.

Daí a certeza de que Solano salvou a sequência e proporcionou os merecidos aplausos ao capítulo. Ave, Félix!

(foto: Renato Rocha Miranda/Divulgação)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: