Record x Globo

Cristina Padiglione

30 de dezembro de 2006 | 23h03

Atendendo a pedidos, reproduzo abaixo o texto da Keila Jimenez que o Caderno 2, do Estado, publicou ontem, sobre uma possível reação da Globo à reportagem exibida pela Record no último Domingo Espetacular. Segue a íntegra:

Keila Jimenez
Depois da confusão pela aquisição dos direitos de transmissão do futebol, a briga entre as duas emissoras volta a abastecer a programação e deve ir parar na Justiça.
A Globo estuda no momento que medidas tomará, e se tomará, na Justiça, em reação a uma reportagem que a Record levou ao ar no último Domingo Espetacular e que já está no ar via internet (*).
De Silvestre Serrano, aliás ex-repórter da Globo, a matéria se anuncia como uma espécie de dossiê anti-Globo. Nos créditos, a edição ganhou o batismo de “Jogo de Manipulação”. Em um caldeirão de quase 20 minutos, a Record reúne uma série de acusações contra a emissora, misturando episódios do passado com cenas recentes.
Os pretextos para ressuscitar polêmicas eleitorais desde o caso Pró-Consult (eleição ao governo do RJ em 1982) foram dois: a acusação da governadora Rosinha Garotinho de que a Globo possui uma conta no paraíso fiscal das Bahamas e também uma carta enviada pelo repórter Rodrigo Vianna aos colegas de redação no dia em que deixou a Globo, há cerca de dez dias, criticando a cobertura eleitoral da emissora no último pleito.
Tudo isso, na edição do Domingo Espetacular, teve direito a trilha sonora de filme de terror. Uma narração que era praticamente clone da voz de Cid Moreira deu o tom na leitura de trechos da carta de Vianna. Professor, parlamentar, sociólogos e jornalistas iam endossando as acusações expostas pela Record.
A emissora também botou no pacote o espisódio do jornalista envolvido com a máfia dos caça-níqueis, no Rio, embora ele tenha sido desligado da Globo assim que a casa tomou conhecimento de práticas inaceitáveis na sua postura profissional.

(*) Embora tenhamos publicado no Estadão, que o vídeo estava no Youtube, não está. Erro meu, aliás, não da Keila, convém frisar. O vídeo se espalhou via Google Imagens.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.