Record oferece R$ 26 milhões por 21 jogos

Cristina Padiglione

14 Novembro 2006 | 00h41

A Federação Paulista acordou nesta segunda-feira com uma proposta de R$ 21 milhões da Record pela transmissão de 21 jogos do Paulistão de 2008. Foi dormir com R$ 26 milhões no ouvido, pelo mesmo pacote: mais de 1 milhão por jogo. A Globo oferece R$ 40 milhões pelo cardápio todo, menu pelo qual a Record tinha proposto R$ 70 milhões e bateu na trave. Alguns compromissos já estavam amarrados com o plim-plim quando a Record chegou ao ponto. E alguns clubes, na pindaíba que estão, já se renderam a adiantamentos feitos pela Globo para patrocínios referentes às transmissões de 2007.

Os R$ 70 milhões oferecidos pela Record incluiriam direitos para transmissões na TV paga, no pay-per-view e na internet. Não interessa que a Record não tenha, no grupo, uma GloboSat para desovar tais direitos. A idéia da TV de Edir Macedo era justamente inverter o jogo e passar a dar as cartas na negociação com a Globo (ou a Band, também dona de canal pago no ramo, quem sabe?).

A oferta causou frisson nos clubes, que devem resolver ainda hoje, terça-feira, que rumo tomar. A presidência da FPF não quer ficar de mal com a Globo, admitiu que preferiria assistir a uma conciliação entre as duas emissoras, mas admitiu à Record que todo dinheiro a mais é bem-vindo.

A Record jura que não chegou a tal valor para fazer pirraça à Globo: garante que o evento vale cada centavo do que propõe, sem risco de prejuízo.

Ontem e anteontem o presidente da emissora, Alexandre Raposo, entrou no ar para endossar sua oferta e assegurar que não está blefando. Tornou pública a proposta à Federação Paulista.

Consta que São Paulo, Marília e Santos ainda não teriam assinado o novo contrato com a Globo.

A briga vai longe. E é das mais saudáveis. Viva a concorrência.