Norma, enfim uma parceria bem executada, da TV com a web

Cristina Padiglione

29 de setembro de 2009 | 18h57

Vi hoje o que penso ser o primeiro programa bem-sucedido resultado da grande ânsia que a televisão tem demonstrado, quase sempre sem efeito, para abocanhar os benefícios interativos promovidos pela internet.

“Norma”, o novo programa da Denise Fraga, é, como tudo o que ela faz, um primor.
Grande ideia, e, melhor, bem realizada.

O programa não fica à mercê do blog criado para a personagem, espaço pronto para digerir sugestões de pauta e intervenções no roteiro. É o blog que está a serviço do programa. Daí a suspeita de que o formato seja promissor.

Norma é uma pesquisadora que pauta sua vida, seus passos, suas decisões, pela média das aferições que faz na rua. Em cena, Denise conta com uma pequena plateia que é convidada a interferir no roteiro o tempo todo. Quando se dirige ao público presente, é a atriz quem pede palpites, não a personagem. E o que ali é dito vai norteando o script a seguir.

Cássio Gabus Mendes faz o ex-marido de Norma, na casa de quem continua a almoçar e a jantar após a separação, pernoitando sempre na casa da mãe, Eva Wilma.

O novo programa estreia domingo, após o Fantástico, sob direção de Luiz Villaça e roteiro final de Maurício Arruda (a mesma dupla do bem-sucedido “Retrato Falado”). O script contará também com duas novas grifes (novas para a TV, claro): Sérgio Goldenberg e o Sérgio Roveri, com quem tive o imenso prazer de conviver nos meus amados tempos de “Jornal da Tarde”.

O Roveri, um sujeito talentoso e engraçado, é o tipo do cara que, em qualquer festa, acaba aglutinando em torno de si todos os convidados, liderando sempre a melhor roda de pessoas do evento. Depois de deixar este cenário do Limão de onde escrevo este post, foi enfileirando excelentes peças, uma atrás da outra, e eis que agora recebe os confetes de um núcleo merecedor de toda a confiança do telespectador, coisa que, em TV, vocês sabem, é excepcional.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.