Narcisa sobre Xuxa: “E ainda me chamam de louca?”

Narcisa sobre Xuxa: “E ainda me chamam de louca?”

Cristina Padiglione

20 de maio de 2012 | 23h42

MATHEUS CABRAL/DIVULGAÇÃO

Não vamos tripudiar em cima da desgraça alheia, por favor.
Xuxa contou em rede nacional, há pouco, pelo Fantástico, que sofreu abuso sexual quando criança, até uns 13 anos, isso é triste. Tudo bem que primeiro tenha falado em “algumas vezes” e que não sabia quem era o agressor, tendo depois dito “muitas vezes” e mencionado dois personagens.
Mas triste também é mencionar ações com quem não está mais aqui para se defender, caso do amor por Ayrton Senna e do pedido de casamento feito pelo staff de Michael Jackson.

O relato sobre o início do romance com Ayrton Senna é repleto de detalhes. Já o desfecho, aconteceu assim de repente, porque os dois estavam trabalhando muito. Oi? Disse a loira que tinha realmente decidido ir atrás dele naquela véspera da morte, em Bolonha, como se o rapaz, ali, fosse livre e desimpedido. Ora, pode a família dele gostar ou não, Senna nunca esteve tão publicamente envolvido com alguém como estava naquele momento, com dona Adriane Galisteu, viúva oficial, sim, como lhe negar o posto? Xuxa a tratou como um poste.

Melhor do que ver a entrevista, e aí vão todos os louros ao Cláudio Manoel, que estava do outro lado da câmera cutucando suas perguntas, foi assistir à cena acompanhando o Twitter. Ver TV com quem você segue é um fórum de discussão impraticável na vida real: só mesmo na web você pode ter a Narcisa Tamborindeguy na mesma sala que o Ricardo Noblat, o Marcelo Médici, o Hugo Gloss e o próprio Cláudio Manoel, né não?
Narcisa, aliás, postou o melhor: “E Vocês ainda me chamam de louca?”
Mika Lins comentou que “depois que morre, é essa merda mesmo”, em referência à menção a MJ e Senna. “Que deselegante”, emendou a atriz em outro tweet, plagiando no melhor sentido o bordão da Sandra Annenberg.
“Não sei o que a Xuxa está tomando, mas eu também quero”, dizia outro comentário.

O perfil que se apresenta como @catupiry se saiu com essa: “Senna queria Xuxa, morreu, Michael Jackson queria Xuxa, morreu. Qual é o nome do filme? ‘Pelé Eterno'”

A entrevista alcançou o topo dos assuntos mais comentados em São Paulo pela rede de microblogs enquanto ainda estava no ar, e continua rendendo. Vai ser assunto certo para as rodas de conversa desta segunda-feira.

Agora com licença, que vou buscar minha nave. Tchau tchau.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.