Futebol metafórico na reta do debate

Cristina Padiglione

08 de outubro de 2006 | 15h25

Sabiamente, mas ainda com certa timidez, a Bandeirantes vem se valendo daquela técnica que a Globo tão bem aplica em temporada de lançamentos na sua programação: contaminar toda a programação com o filé mignon que se anuncia.

Para o debate do dia, a Band coletou entrevistas com jogadores e técnicos de futebol, inserindo a política no noticiário esportivo. Além de ser um ponto forte da casa, o futebol vive a render metáforas na boca de Lula.

Seria o caso de usar, além do esporte, os Gilbertos Barros da vida e ícones da programação mais popular da TV dos Saad para sugerir o cardápio da política a quem nem sempre tem apetite por ele.

Nas horas que antecedem o confronto de hoje, Lula descansa em um hotel em São Paulo, enquanto Alckmin, em vez de reabastecer as baterias em casa, como estava previsto, resolveu se instalar na produtora de TV onde grava seus programas eleitorais.

Um batalhão de mídia, incluindo sites, jornais, revistas e TVs vem noticiando a cena esperada para o dia. Entre brasileirinhos ou não, são 235 jornalistas credenciados para cobrir o evento. A Globo também pisa em território dos Saad hoje. E é de bom tom que o plim-plim considere a notícia, como se pede que a Bandeirantes o faça no dia 27, quando o confronto se dará na TV dos Marinho.
Como reza o discurso político, há momentos em que os interesses da nação estão, ou deveriam estar, acima de qualquer questão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.