Marcelo Médici questiona ética do ‘Zorra Total’, que clonou personagem seu

Marcelo Médici questiona ética do ‘Zorra Total’, que clonou personagem seu

Cristina Padiglione

14 de abril de 2014 | 10h08

 

 

Marcelo Médici grava no Rio a 2ª temporada do Vai que Cola, sitcom do canal Multishow.

O personagem, o corintiano Sanderson, que já foi Zoinho no banco da Praça é Nossa, é conhecido do público: nasceu justamente no Prêmio Multishow de Bom Humor, em 1998, passou pelo Terça Insana e lotou teatros como um dos esquetes do Cada Um Com Seus Pobrema.

Podem até dizer que aquilo seria um estereótipo de corintiano mano, mas não é tão simples assim. Há semelhanças no texto, no figurino extra camisa do Curingão e no histórico que poderia ter colocado Sanderson no Zorra, anos atrás, quando ele foi recusado por ter sido já visto no banco da Praça É nossa, da concorrência. E não é que agora surge o mesmo tipo, com os mesmos bordões?

 

O próprio Médici fala sobre o caso na página de seu perfil no Facebook. Segue a íntegra de seu texto:

 

  1. Eu podia estar roubando, matando… mas estou aqui perplexo com a falta de ética, de respeito. Ontem, ao ver uma chamada do humorístico ZORRA TOTAL, me deparo com um ator vestido com um gorro preto e branco, regata na mesma cor, dentro de um ônibus. Essa figura, um corinthiano, um mano, um motoboy que fala gírias, é uma velha conhecida de nós paulistas, reflexo de uma realidade comportamental e linguistica. Muitos personagens parecidos com ele vieram depois.
    Criei o personagem Sanderson faz muito, muito tempo e ele ficou conhecido do público pela participação em espetáculos teatrais como Rê Bordosa, Eu Era Tudo Pra Ela E Ela Me Deixou (primeira versão/1997), Terça Insana, e por dez anos em cartaz no solo CADA UM COM SEUS POBREMA. Na TV, Sanderson já apareceu no Prêmio de Humor do Canal Multishow (vencedor, uhu!), depois no humorístico A Praça é Nossa (SBT), com o apelido de Zoinho, e na TV Globo nos programas dos meus queridos Serginho Groisman e Jô Soares, entre outros. Algumas vezes.
    Ano passado, após me comprometer com a novela Joia Rara e com o programa Vai Que Cola, do Canal Multishow, recebi um convite do diretor do ZORRA TOTAL, para integrar o programa com o Sanderson. O curioso, é que há dez anos, desempregado, peguei um ônibus de SP e levado pelas mãos de minha amiga Claudia Rodrigues, tentei oferecer esse mesmo personagem ao mesmo diretor, o senhor Maurício Sherman, para o mesmo programa! Ele rejeitou o Sanderson porque eu já havia feito na Praça é Nossa Acreditem ou não, recusei fazer o humorístico nesse momento por vários motivos, sendo que os compromissos por mim assumidos anteriormente, foram os mais relevantes. E para minha (triste) surpresa, hoje assistindo ao programa, vejo outro ator, falando como o Sanderson, vestido como Sanderson, dizendo que: – Podia estar roubando, matando, mas… exatamente como o Sanderson se apresenta. Ética, ética… volta! Sem você,

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.