Liberdade Liberdade reserva momento ‘Brokeback Mountain’

Liberdade Liberdade reserva momento ‘Brokeback Mountain’

Cristina Padiglione

01 de abril de 2016 | 15h37

blat

Caio Blat representa, em Liberdade Liberdade, próxima novela das onze, um rapaz de fino trato, cioso de um guarda-roupa com muito babado e renda, atento a modos muito mais civilizados do que o padrão masculino vigente na época da chegada da Família Real ao Brasil, em 1808, quando a brutalidade e violência imperavam por aqui.

Mas não se trata só de um rapaz muito inteligente, um rapaz muito diferente, como canta Caetano na canção. O personagem representa um gay e todo o sofrimento que era, naqueles tempos, esconder sua condição homossexual, inclusive sob pena de ser morto, caso isso viesse à tona.

No enredo desenvolvido por Mario Teixeira, André, papel de Caio, vai se apaixonar justamente por uma das figuras mais violentas desse cenário, o Coronel Tolentino, vivido pelo português Ricardo Pereira.

“E ele vai corresponder?”, pergunto a Caio na festa de lançamento da novela, na noite desta quinta, na Vila Riso, propriedade no Rio que preserva palmeiras centenárias e arquitetura da época de Dom João.

“Sim, eles viverão um romance, uma coisa até bruta, na linha Brokeback Mountain, pelo que me disse o Mario (Teixeira)”

Rebato a pergunta ao autor, que ri: “Ih, ele já entregou tudo, é? Mas é isso mesmo, vai ter uma coisa Brokeback, no sentido de que era algo extremamente proibido, inclusive com pena de morte aos homossexuais”, confirma.

O Segredo de Brokeback Mountain, título de 2005 indicado ao Oscar como melhor filme e premiado pela direção de Ang Lee, faturou também a estatueta de melhor roteiro adaptado. A comovente história resgata o romance incontrolável, e socialmente condenado, entre dois cowboys, na conservadora região oeste dos Estados Unidos, entre 1963 e 1981. Para quem não viu, fica a dica: vale muito a pena.

Brinco com Caio Blat que ele se deu bem. Afinal, quem não teria olhos para Ricardo Pereira? “Você viu, me dei bem mesmo”, diverte-se, ao lado da mulher, Maria Ribeiro, que o acompanhou no evento.

Procurei saber, do autor, se poderemos aguardar mais uma discussão em torno do beijo na boca entre rapazes. “Ah, não vou contar. Você vai ver”, diz Teixeira, em tom de suspense.

Liberdade Liberdade estreia dia 11, logo após Velho Chico, o que vale só para as segundas-feiras. De terça, quinta e sexta, vai ao ar na faixa das onze, e quarta faz pausa para o futebol passar.

Portuga

Ricardo Pereira e a mulher, Francisca, no evento de lançamento de Liberdade Liberdade

Fotos: Reginaldo Teixeira/Divulgação

 

Tendências: