Ferran Adrià baixa no “Roda Viva”

Cristina Padiglione

04 de novembro de 2008 | 16h31

Catalão, número 1 do mundo na gastronomia, o chef Ferran Adrià gravou hoje uma edição do “Roda Viva” para a TV Cultura e só se exaltou quando lhe perguntaram sobre o chef Santi Santamaria, igualmente catalão, que o inveja publicamente.

Em São Paulo para participar do “Mesa São Paulo”, evento gastronômico que reúne grifes do ramo do mundo todo, Adrià chegou à sede da Fundação Padre Anchieta com ligeiro atraso, acompanhado pelo top chef brasileiro, Alex Atala. A dupla vinha justamente do “Mesa SP”, o que justifica, de alguma forma, o jalecão branco digno de chef usado por ambos como figurino durante o programa.

Com Atala, Josimar Melo, pela Folha de S. Paulo, Luiz Américo Camargo, pelo Estadão, mais Suzana Barelli, pela revista Menu, fechavam o time de entrevistadores.

Uma entrevista de Adrià ao “Roda Viva” é a boa notícia.
A má: o programa só vai ao ar dia 22 de dezembro, data infeliz para qualquer programa de TV. Saiba que os programas ditos “de série”, produzidos o ano todo, só entram em recesso na temporada pré-fim de ano porque a platéia já está em contagem regressiva para outras freguesias, longe da rotina. A audiência despenca, não vale a pena queimar edição alguma nessa época. Que o Roberto Carlos não nos leia, mas é só por isso existe aquilo a que chamam de “especial de fim de ano”: são tapa-buracos com enfeites de Natal para tentar seduzir os remanescentes.

E quem tiver a sorte de dar de cara com esse catalão ali, no centro do “Roda”, num 22 de dezembro, há de se perguntar por que o chef número 1 do mundo está lá, tão longe de seu El Bulli, sem nada melhor para fazer numa véspera de Natal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.