Dalva, a minissérie, vale audiência

Dalva, a minissérie, vale audiência

Cristina Padiglione

05 de janeiro de 2010 | 19h05

Dalva e Herivelto, a minissérie que a Globo colocou no ar anteontem, é programa dos melhores. A música, a cenografia, o figurino, as caracterizações, o elenco, a luz, a fotografia, o texto, a edição e a pós-produção, tudo orna, tudo funciona, tudo salta aos olhos e ouvidos, a acrescentar que a história e os personagens conspiram a favor de um bom produto. Mas, saber contar essa história é essencial, e Maria Adelaide Amaral, boa contadora de histórias que é, e Dennis Carvalho, diretor sempre disposto a respeitar o brilho alheio, despido da vaidade de aparecer mais que o enredo (mal que aflige tantos diretores) têm grande mérito aí.

A estreia rendeu 29 pontos de média de audiência em São Paulo, o que significa, no mínimo, o melhor resultado do horário no último mês.

HERIVELTO NA CULTURA

No rastro da minissérie, a TV Cultura reprisa, neste sábado, um “Ensaio” gravado por Herivelto Martins há 20 anos. A Fernando Faro, o músico relata como aconteceu a formação da dupla Preto e Branco e do Trio de Ouro, formado por ele, Nilo Sergio e pela cantora Dalva de Oliveira, com a qual viveria uma conturbada história de amor. A partir das 20h, neste dia 9 de janeiro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.