Criancinhas postam vídeo no Youtube como se brincassem de pega-pega

Cristina Padiglione

31 de agosto de 2008 | 14h18

TV aberta? O que é isso?

Para uma geração de abastados que já nasceu zapeando entre Discovery Kids, Disney Channel, Globo ou SBT, muitas vezes com computador online para jogar ou conversar no messenger, essa coisa de TV aberta ou fechada não faz sentido algum. Está tudo no mesmo controle remoto.

O Cartoon Network avaliou, pelo terceiro ano consecutivo, o comportamento de sua platéia, gente na faixa dos 7 aos 15 anos, normalmente com alcance a TV paga, internet, MP3 e celular, só pra ficar no básico.

73% desse público acessa a web quase todos os dias, para entretenimento ou comunicação;
23% das meninas e 17% dos meninos têm blog, fotolog ou videolog.
Sim, videolog. Você aí, que se enquadra na categoria dos “migrados” e não dos “nativos” nesse território chamado internet, acredite: 21% dos meninos e 20% das meninas disseram já ter postado algum vídeo no site YouTube.

E 59% dos pesquisados já assistiram a pelo menos um desenho animado na internet, item que motivou o Cartoon a oferecer mais atrações do gênero por meio de seu site.
O Cartoon já sacou o que alguns canais pagos fingem acreditar que ainda vai demorar: a concorrência direta com a internet. Oras bolas, quem dispõe de TV paga é o mesmo público que normalmente tem banda larga em casa, e melhor do que arriscar perder audiência para a web é torná-la uma aliada. A esse propósito, diga-se, constatou-se que o computador é, no quesito “fazer várias coisas ao mesmo tempo”, o meio mais usado em combinação com outras atrações (57,5% declaram acessar a web enquanto fazem outras tarefas), incluindo “ver TV”.

E, ao contrário, “ver TV” é o item mais praticado isoladamente (48,1% dizem que não fazem mais nada enquanto assistem à TV).

Sete mil questionários foram respondidos por meio do site do canal, que depois confirmou alguns dados com pesquisas qualitativas, como grupos de discussão e visitas monitoradas à casa de algumas crianças.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: