Beleza não é tudo. Ah, vá?

Cristina Padiglione

08 de setembro de 2006 | 17h48

Veja se o texto a seguir tem alguma chance de nortear uma programação de TV:
“Para ser bonito é preciso ter rosto de galã? E corpo de modelo? Bonita é só a roupa da moda? (…) O sucesso e o dinheiro, somados a um conjunto de qualidades pré-formatadas, fazem com que a beleza seja, hoje, um conceito bastante excludente.”

Quando a televisão, tão propícia que é para glamurizar até barraco de favela, começa a debater que beleza não é tudo, bem, algo há de se estranhar.

Mas “Toda Beleza”, série anunciada por meio do texto acima, navega na contramão da mecânica do veículo e é projeto de canal tão alternativo quanto a proposta aí apresentada. É coisa do Canal Futura, emissora cheia de boas intenções e produções idem, devidamente bancadas pela iniciativa privada.
O menu da vez tem como pretexto o nono aniversário do Futura. No dia 19, estréia o pacote em questão, “Toda Beleza”, série de 6 documentários pilotada por quatro diretores de grife: o pernambucano Lula Queiroga, o fluminense Belisário Franca, o paulista Carlos Nader e o mineiro Eder Santos.

Este Teleguiados, o Blog, aproveita então o aniversário do Futura para levantar uma lebre. Fruto das Organizações Globo, o Futura é chancelado pela Fundação Roberto Marinho. E é de se perguntar por que pelo menos um décimo do biscoito fino servido ali não é aproveitado na tela da Globo?
É como se dissessem: “estamos fazendo a nossa parte, não interessa se alguém vê ou não”.

O mérito não bota na conta se a frívola “Malhação” está exposta na melhor vitrine, enquanto as idéias mais úteis (e bem executadas, por isso em plenas condições de atrair anunciantes) estão relegadas ao canal periférico.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: