Alguma coisa acontece no reino do ibope

Cristina Padiglione

24 de setembro de 2007 | 19h26

Vem a Record e alardeia que o segundo lugar nacional já lhe pertence. Os dados, de agosto passado, englobam a faixa das 7h às 24h.

Vem o SBT e derruba o rufar de tambores da Record, alegando que o segundo lugar nacional ainda lhe pertence. Minto. O tom é mais enfático, mantém aquele “absoluto” que há anos emenda o título de campeã da vice liderança. A alegação veio estampada em página inteira de jornal, anúncio pago, e refere-se à faixa das 7h às 6h.

A madrugada, nesse caso, dona de resultados tão pífios, faz toda a diferença entre as duas redes.

Agora vem a Globo, que nunca se mexeu para avisar que o reinado incontestável lhe cabe _ até pelo caráter aí dito incontestável, convém ser redundante _ e anuncia, também em página inteira de jornal, que a soma das duas emissoras a disputar a tal vice-liderança nacional não esbarra no calcanhar de seus resultados.

Só essa movimentação de números, incômodos e incomodados, já tem valido algum zapping, exercício mal praticado pela platéia brasileira até 11 anos atrás. Foi em 96 que se deu o grande boom na venda de televisores novos. E como todo aparelho então já se fazia acompanhar por um controle remoto, o nobre telespectador que mal mexia o traseiro para levantar e mudar de canal, passou a encontrar na disposição sedentária um meio eficiente para zapear.

A audiência do domingo tem mostrado como o bolo pode ser diluído. O novo game do Silvio Santos, o hilário “Você é mais esperto que um aluno da 5ª série”, bateu a Record por 10 x 9 pontos na média anteontem. O “Domingo Legal” bateu também a Record por 12 a 11 no seu tempo total. Enquanto isso, a Globo amargava, entre 16h30 e 17h30 modestos 23 pontos para um clássico (em tese) como Corinthians e Palmeiras. Culpa da crise alvinegra, vá lá. E Faustão lançou mão de uma tal Dança da Bunda, com closes dignos daqueles que já fizeram o Ministério da Justiça pedir a transferência do “Pânico”, na RedeTV!, das 18h para as 20h. Líder incontestável não carece disso, né mesmo?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.