A São Paulo das novelas volta à cena

Cristina Padiglione

21 Maio 2007 | 19h40

Leblon e Copacabana merecem toda a reverência do mundo, mas, diante do Paraíso Tropical emendado nas Páginas da Vida, a paulistada, tão zelosa da parte que lhe cabe na foto – bem mais do que da parte que lhe cabe na cidade – pôs-se a chiar de sua ausência nos folhetins da Globo.

Eis aí. “Sete Pecados”, primeiro folhetim contemporâneo de Walcyr Carrasco, não é novela das 9, mas tem seu valor como afago na platéia queixosa. Estréia na faixa das 7 dia 18 de junho, com a proposta de colocar em cena uma São Paulo que extrapole as manjadas esquinas reproduzidas pela Globo toda vez que o enredo se debruça sobre o lado de cá da Dutra.

A primeira safra de gravações, no entanto, não foge à regra: é pura São Paulo de novela o cenário a entrar em foco. Tem Mercado Municipal, Avenida Paulista (Masp incluso, claro), Parque Burle Marx, Oscar Freire, Liberdade, Museu do Ipiranga… E é nos Jardins que o bonitão Gianecchini estaciona seu táxi, para encontrar, em casa, uma Giovanna Antonelli como patroa.

Tudo esteticamente perfeito. Dos cenários aos personagens, make up pouco é bobagem.