A reinvenção da Roda

A reinvenção da Roda

Cristina Padiglione

17 de agosto de 2011 | 17h40

Quando a Cultura relançou o Roda Viva como está hoje, num semicírculo em que o cartunista passa o tempo todo a mirar a nuca do entrevistado, sem desnível entre entrevistadores e entrevistado, sem mais que dois jornalistas convidados e um trio fixo na bancada, hummm, eu mesma não gostei.
Comentei com a Marília Gabriela os meus receios: num programa como este, o revezamento de jornalistas conspirava a favor de supresas, ao passo que a presença fixa de três jornalistas que já se conhecem bem naquele métier, sabem como e o que pensam, acabaria por promover o lugar comum.
Ela discordou.
O cenário ficou lindo, me argumentou, na época, a Gabi. Eu disse, pois é, mas parece um Canal Livre (Band), não um Roda Viva.
Ainda nos tempos da Lillian Witte Fibe, quando lá estive, queixei-me da presença de apneas quatro jornalistas convidados, e o diretor então argumentou que era para nós, entrevistadores, termos mais chance de elaborar nossas questões. Ao que eu rebati: quem tem de ter tempo para falar é o entrevistado, não nós. Estamos aqui como mero figurantes.

O Roda Viva de Gabi também resolveu suspender a transmissão ao vivo pelo Twitter. Foi o primeiro programa a botar tuiteiros em cena, dando conta, em miniposts de 140 caracteres, do que lá ia sendo dito.
Gabi sustentou que num programa com 0,8 ponto de audiência, não haveria cabimento em antecipar seu conteúdo pela internet.
Não concordo. O Twitter agrega, não divide nem rouba ibope da TV, ainda mais com um programa de entrevistas.
Agora o Roda tem os mesmos 0,8 e nada de reprecussão nas redes sociais..

Agora, com as saídas de Marília Gabriela e de seus dois coadjuvantes, Augusto Nunes e Paulo Moreira Leite, a Cultura aproveita para reinventar ao Roda, mais ao modo do que era antes, sob o comando de Mário Sérgio Conti. E ele volta a contar com jornalistas convidados, nada de parcerias na bancada e nada de avaliação do entrevistado no último bloco.
Aquela sabatina final, em que os entrevistadores diziam o que tinham achado da entrevista e da postura do entrevistado, francamente, pareceia desfecho de O Aprendiz, onde o candidato eliminado é avaliado em seus pormenores.

Que venha o velho Roda. O resto todo, incluindo o cenário que lá ficou, é só o resto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: