A poligamia, aos olhos de Tom Hanks, na HBO

A poligamia, aos olhos de Tom Hanks, na HBO

Cristina Padiglione

19 de setembro de 2006 | 17h35

A HBO fez agora há pouco uma pré-apresentação de “Big Love”, nova série produzida por Tom Hanks, que estréia dia 1.º de outubro no canal.

O foco: a poligamia.
Não aquela casual e sem maiores conseqüências vista em “Eu, Tu, Eles”. Longe disso. Aqui temos um homem contemporâneo que vive no subúrbio de Salt Lake City, no estado de Utah, Estados Unidos, com três mulheres, sete filhos, piscina e garagem em comum e auto-exigência permanente pela perfeição no papel do chefe de família.

As três esposas se revezam, uma por noite, na cama do macho, que não demora a recorrer à pílula azul para dar conta da demanda de estrogênio. Como só uma delas trabalha, fica o zangão responsável por todas as contas do lar.

A filosofia não dispensa recato: repreende-se decotes, vestidos curtos e gemidos mais explícitos. Há crianças na casa, afinal. Há oração à mesa. Há conservadorismo de sobra, diga-se, em especial àqueles que não conhecem bem esse painel familiar que abrange algo em torno de 40 mil pessoas no país de Bush, segundo dados revelados no ano passado pela Attorney General’s Offices de Utah e do Arizona.

Mas a paz no lar encontra resistências que mal esbarram no fator moral: se já é tarefa árdua conjugar as diferenças entre duas pessoas, calcule o peso que é ajustar direitos, deveres e mimos entre três mulheres para um mesmo homem.

Entre as brechas que vão revelando caprichos e diferenças entre elas, o que se impõe na condução do enredo é a condição clandestina da poligamia.

“Big Love: Um marido, três esposas, um lar” tem Bill Paxton como o macho protagonista, também chamado como Bill em cena. As mulheres são Jeanne Tripplehorn, Cholë Sevigny e Ginnifer Goodwin. Tom Hanks divide a produção com Gary Goetzman.

Bill e suas três mulheres

São 12 episódios e estréia dia 1.º, às 23 horas, como grande opção para quem estiver em busca de um desvio da rota da overdose sobre boca de urna da data.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: