Wilco dá sinais de ter chegado à meia idade

Estadão

08 de novembro de 2011 | 22h31

Roberto Nascimento

Pela criatividade com que mesclou conceitos vanguardistas com vertentes do indie rock no magnífico Yankee Hotel Foxtrot, de 2002, o Wilco chegou a ser apelidado de Radiohead americano.

É uma comparação injusta, que ofusca a genialidade de Jeff Tweedy, mas não deixa de ser uma boa forma de descrever o tipo de ambição art rock do Wilco, que em 17 anos de existência já foi de country alternativo a folk contemporâneo a rock experimental.

Em seu oitavo disco, The Whole Love, a banda parece ter entrado no ritmo constante de meia idade de uma boa banda, em que a efervescência dos primeiros anos se perdeu, mas ainda há bons momentos temperados pela experiência. Art of Almost, a primeira faixa, abre o disco com um groove quebrado, que, de fato, lembra as experimentações rítmicas do Radiohead no recente King of Limbs. Mas é só.

Pelo restante de The Whole Love, Jeff Tweedy transita pelo folk e pelo rock psicodélico. Há momentos de audácia que funcionam bem, como o esquema harmônico de Sunloathe, uma balada construída com acordes incomuns. Mesmo assim, Tweedy já foi mais aventuroso.

Tudo o que sabemos sobre:

Wilco

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: