Whitesnake mantém a pegada e retorna pesado

Estadão

25 de março de 2011 | 17h02

Marcelo Moreira

A qualidade dos trabalhos do Whitesnake, do vocalista David Coverdale, melhoraram depois que a banda virou bissexta, tocando e gravando de cinco em cinco anos. Depois do lançamento do mediano “Restless Heart”, em 1997, a banda aumentou os períodos de “descanso” e desde então tem lançado álbums melhores do que os que foram editados nos anos 90.

Foram 11 anos de espera por umnovo álbum até que Coverdale saíse da toca e lançasse o ótimo “Good to Be Bad” em 2008, mais pesado e menos meloso do que o normal. “Forevermore”, recém-lançado na Europa e nos Estados Unidos, e que deve chegar ao Brasil em abril ou maio, segue pela mesma direção e mateve a qualidade do trabalho anterior.

Como curiosidade, o álbum sai em vinil. Na Ingalterra, haverá uma edição exclusiva para aquele mercado, chamada “Snake Pack”, que traz dois bônus ao vivo mais uma revista de 132 páginas, um botom e uma capa diferenciada. As duas faixas ao vivo são um aperitivo de um lançamento programado para o final do ano: CD e DVD com a gravação de um show de 1990 realizado no Donington Festival. 

 “Live at Donington 1990” é considerado um dos pontos altos da carreira do grupo fundado em 1977 e tinha na formação da época dois ases da guitarra, o norte-americano Steve Vai e o holandês Adrian Vandenberg. 

 Na versão digital, existem outros bônus – uma “mixagem alternativa” de “Love Will Set You Free” e uma versão acústica de “Forevermore”. O site da Amazon ainda vai oferecer um bônus exclusivo, “My Evil Ways”.  

Whitesnake versão 2011, com David Coverdale ao centro (FOTO: DIVULGAÇÃO)

A música que abre é “Steal Your Heart Away” e segue na linha de “Good to Be Bad”: pesada, acelerada e  com solo arrepiante de guitarra. “Love Will Set You Free” é a faixa mais pop, por assim dizer, já que tem um apelo comercial evidente, embora seja uma boa canção. “Easier Said Than Done” é uma balada palatável, mas sem grandes novidades, assim como “One Of These Days”, totalmente acústica.
“Whipping Boy Blues” parece saída do álbum “Coverdale-Page”, de 1993, em parceria com o eterno Led Zeppelin Jimmy Page: pesada, climática e com produção bombástica. “My Evil Ways” inicia com um solo de bateria que dá lugar a um hard explosivo. O álbum finaliza com “Forevermore”, uma ótima canção épica que remete a “Sea of Life”, do Saxon, que fecha o excelente álbum “Metalhead”. 
Os sucessivos hiatos têm feito bem ao Whitesnake, que retorna cada vez mais pesado e com qualidade. Que a saga continue assim.
 

2011 – FOREVERMORE

Steal Your Heart Away
All Out Of Luck
Love Will Set You Free
Easier Said Than Done
Tell Me How
I Need You (Shine A Light)
One Of These Days
Love And Treat Me Right
Dogs In The Street
Fare Thee Well
Whipping Boy Blues
My Evil Ways
Forevermore
Whipping Boy Blues (Swamp Mix)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.