Van Halen perto da ressurreição

Estadão

06 de agosto de 2010 | 19h03

Marcelo Moreira

Pela enésima vez nos últimos 12 anos, o Van Halen ensaia uma ressurreição. Um comunicado oficial nesta semana da gravadora Warner/Chappell Music informa que o contrato com o quarteto foi renovado e revela que o grupo atualmente está em estúdio gravando um álbum previsto para ser lançado em 2011.

O último trabalho da banda foi “Van Halen III”, de 1998, com Gary Cherone (ex e atual Extreme) substituindo Sammy Hagar. O álbum fracassou, vendeu muito pouco, pois o preconceito contra Cherone falou mais alto. A tuebê do álbum pelos Estados Unidos teve datas canceladas, assim como na Ásia, apesar do sucesso na Austrália.

Por pressão da gravadora, Cherone foi demitido, o que levou os irmãos Eddie e Alex Van Halen a deliberadamente a decretar em represália um recesso por tempo indeterminado, enfurecendo empresários e a Warner.

O grupo tentou dar sinais de vida em 2004, com o lançamento de mais uma coletânea dupla com três músicas inéditas e novas com Sammy Hagar de volta. Uma turnê foi agendada nos Estados Unidos, no começo com Hagar, e na segunda parte com ele e David Lee Roth dividindo o palco, cada um cantando as músicas de sua fase.

Foi um sucesso de público, mas não artisticamente. Hagar e Roth se desentenderam, como era previsto, assim como os dois vocalistas com o guitarrista Eddie Van Halen. Ao final da turnê, todos deram graças pelo término e o Van Halen parou de novo, até porque Eddie ficou doente.

Secretamente, Eddie e Alex Van Halen ressurgiram do nada com David Lee Roth em ensaios para uma nova turnê em 2007, só que sem o baixista Michael Anthony, demitido sem explicações após 33 anos de estrada com o grupo. Mais surpreendente ainda foi a nomeação de Wolfgang Van Halen como baixista. Filho de Eddie, tinha 16 anos à época e era guitarrista de origem.

Essa é a formação que deverá gravar o primeiro disco de estúdio tendo Roth nos vocais desde o clássico “1984”, lançado naquele ano.

O que esperar de um Van Halen em 2010? Nada de novo, mas mesmo assim qualquer coisa inédita da banda será um milhão de vezes melhor do que a melhor coisa produzida na música pop atual.

Uma pequena amostra do que está por vir pode ser encontrada em uma coletânea chamada “Greatest Hits I”, lançada em 2001. Para este lançamento, Eddie e Alex tentaram reatar a amizade com David Lee Roth e ensaiaram um retorno da formação original naquele ano, mas não deu certo.

Nas duas semanas em que ficaram juntos, Roth, os irmãos e Anthony gravaram e produziram duas músicas inéditas e entraram na coletânea: “Me Wise Magic” e “Can’t Get This Stuff No More”. Boas músicas, mas nada de extraordinário. Mas, se conseguirem manter o nível, terá valido a pena.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: