Uma versão do Wishbone Ash toca em São Paulo

Estadão

12 de setembro de 2012 | 06h41

 

Marcelo Moreira

A banda inglesa Wishbone Ash não inventou a dupla de guitarras, mas criou o conceito puro das “guitarras gêmeas”, e só por isso já merece um lugar de destaque na história do rock. A perfeita sintonia entre a dupla de instrumentistas, com duelos magníficos e entrelaçamentos instigantes de harmonias e melodias transformaram o grupo em protagonista do hard rock dos anos 70.

Pois uma encarnação do Wishbone Ash virá ao Brasil no próximo dia 22 de setembro. Martin Turner’s Wishbone Ash, como o nome diz, é liderado pelo baixista e vocalista do grupo, cercado de músicos pouco conhecidos. E, como também o nome sugere, o grupo é uma dissidência do original, que teve milhares de formações a partir de 1980.

No show a ser realizado no Manifesto Bar, na zona sul de São Paulo, Turner será acompanhado pelos experientes os experientes guitarristas Ray Hatfield e Danny Willson, além do baterista Dave Wagstaffe. Ele promete tocar os grandes clássicos da banda, como “Warrior”, “The King Will Come”, “Time Was”, “Blowin’ Free” e “Phoenix”, entre outras. A turnê pelo Brasil inclui shows em Porto Alegre, Belo Horizonte e Rio de Janeiro.

Em 2011 foi lançado o registro oficial da turnê “Life Begins”, tanto em DVD como em CD, contendo na íntegra a performance do clássico álbum “Argus”, a principal obra do Wishbone Ash, de 1972. Esse show será a base do repertório a ser apresentando em São Paulo.

Sem tecladista, mas com duas guitarras sempre

O Wishbone Ash foi formado pelos músicos Martin Turner e Steve Upton (bateria) em Londres em 1969. A ideia inicial era criar um som musical rico em textura e melodias, com ênfase nas duas guitarras.

Embora as guitarras gêmeas já pudessem ser percebidas em alguns dos primeiros trabalhos dos Allman Brothers em 1969, o conceito ganhou formato definitivo com o Wishbone Ash em sua obra-prima, “Argus”.

Dois anos depois, em 1974, o Thin Lizzy aderiu ao esquema, quando precisou substituir o guitarrista Eric Bell. A solução foi a entrada dos ótimos Scott Gorham e Brian Robertson (que mais tarde tocaria no Motorhead).

A dupla de guitarristas Andy Powell e Ted Turner (nenhum parentesco com Martin) era o destaque, mas a figura central era Martin Turner, principal compositor e produtor dos maiores sucessos do grupo.

Apesar de o grupo ser reconhecido pelo conceito que “criou” e da boa aceitação de seus quatro primeiros trabalhos, misturando hard rock, rock progressivo e folk, Ted Turner sentiu-se limitado pela onipresença de Martin e acuado pelo virtuosismo de Powell. Deixou a banda em 1974, substituído pelo virtuoso Laurie Wisefield.

Martin, por sua vez, deixou o grupo em 1979, insatisfeito após a mudança para os Estados Unidos, o que se refletiu em um som mais comercial e mais hard. Powell, Wisefield e Upton convidaram o baixista John Wetton (Asia, ex-King Crimson, UK e Uriah Heep) para substituir o ex-líder. Infelizmente, a entrada do músico coincidiu com a acentuação da decadência do grupo.

Várias formações

A volta da formação original aconteceu em 1986 quando Miles Copeland, então o primeiro empresário e produtor do grupo (irmão de Stewart Copeland, do Police) entrou em contato com Andy e Ted Turner. Copeland havia se tornado produtor do The Police e aberto um selo, IRS Records. Ele convidou o Wishbone Ash para gravar um disco em uma coleção que o IRS lançaria em breve.

Andy Powell, Ted Turner, Steve Upton e Martin Turner reuniram-se e gravaram o projeto. A formação ainda durou mais três anos, quando lançaram “Nouveau Calls” e “Here To Hear”. Upton preferiu sair novamente e se aposentou, sendo substituído por Ray Weston.

A partir de 1990 várias encarnações do Wishbine Ash surgiam e desapareciam, até que em 2003, após várias mudanças de integrantes, o grupo estabilizou com Andy Powell (guitarra e voz), Bob Skeat (baixo), Ben Granfelt (guitarra) e Ray Weston (bateria). Foi essa formação que fez shows no Brasil em 2004.

Powell continuou à frente do grupo e ainda conseguiu lançar um álbum em 2007, “Power of Eternity”, acompanhado por Skeat, Weston e Muddy Manninen (guitarra, em substituição a Granfelt). No mesmo ano Weston sai e dá a lugar ao baterista Joseph Crabtree. Em 2011, novo álbum de estúdio, “Elegance Stealth”, chega ás lojas, sem grande repercussão.
As desavenças em torno do nome da propriedade do nome da banda opuseram Martin Turner e Powell em 2004. O antigo líder questionou a legitimidade da existência de um Wishbone Ash com apenas um integrante original – claro que estava de olho na possibilidade de ele, Martin, recuperar o nome para que pudesse sair em turnê.

A intenção não de certo e o ex-líder fez o que muitos músicos em litígio com ex-colegas fez: lançou a sua própria versão da banda, acrescentando o nome da banda ao seu nome de batismo. Há sete anos faz turnês mundiais tocando em botecos e locais pequenos paralelamente à versão atual e oficial do Wishbone Ash.

Não espere grandes arroubos de virtuosismo ou o entrosamento mágico da formação que gravou os primeiros quatro álbuns. O Martin Turner’s Wishbone Ash é um combo competente e consegue reproduzir com competência o legado da banda original – com a vantagem de ter o vocalista original e principal, enquanto que a banda oficial atual não escapar da pecha de “banda cover de si  mesma”.

Como curiosidade, neste ano o Martin Turner’s Wishbone Ash participou do Garden Party at Liscombe Park, em Bedfordshire, na Inglaterra, um evento que reuniu fãs do grupo – uma espécie de Kiss Conference. Após o show, Martin se recebeu no palco os ex-membros Ted Turner, Steve Upton e Laurie Wisefield, onde todos foram homenageados. Andy Powell, é claro, não foi convidado.

SERVIÇO

Data: 22 de setembro as 20h
Local: Manifesto Bar – Rua Iguatemi 36, fone: 11 3168 9595

Ingressos promocionais antecipados: R$60,00

Na porta no dia do show: R$80,00

Camarotes com Meet & Greet: R$120,00 – limitados a 20 ingressos

Pontos de venda de Ingressos:

Ticket Brasil: https://ticketbrasil.com.br/show/martinturnerswishboneash-sp/

Loja DIE HARD na Galeria do Rock – Avenida Sao Joao 439, 2º andar loja
312 – fone: 11 3331 3978

Manifesto Bar – Rua Iguatemi 36, fone: 11 3168 9595

Realização – Mainstage – www.mainstagesp.com.br

Wishbone Ash Official website – www.wishboneash.co.uk

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.