Um tributo mais do que merecido a Dio em São Paulo

Estadão

29 de junho de 2013 | 16h06

Jorge Almeida – publicado originalmente no blog Cultura & Futebol

Dio Disciples: honrando e levando o legado de Ronnie James Dio. Foto: Jorge Almeida

Dio Disciples: honrando e levando o legado de Ronnie James Dio. Foto: Jorge Almeida

Pela primeira vez no Brasil, a banda Dio Disciples realizou um show memorável no Carioca Club no início da noite deste sábado, 15 de junho. O projeto trata-se de um tributo ao saudoso vocalista Ronnie James Dio (1942-2010), uma vez o setlist é baseado nos grupos por onde Ronnie passou, mais especificamente Rainbow, Black Sabbath e Dio. Aliás, parte da arrecadação dos concertos é destinada para a Fundação Dio e a pesquisa para a cura do câncer. A abertura do evento ficou por conta da revelação do Power Metal Melódico nacional, os paulistas do Sagitta.

O Dio Disciples consiste com músicos que fizeram parte da última encarnação da banda Dio: o baterista Simon Wright, o guitarrista Craig Goldy e o tecladista Scott Warren, além do baixista Bjorn Englen e dois vocalistas Tim “Ripper” Owens e Oni Logan.

A casa abriu para o público às 18h e, quinze minutos depois, o Sagitta agitou a galera por 30 minutos com o seu Power Metal Melódico e com os solos de guitarra influenciados por música clássica, destaque para “Holy Child”.

Após a saída do Sagitta, às 18h45, as cortinas pretas do palco se abriram e ali estavam: Tim “Ripper” Owens, Scott Warren, Craig Goldy, Simon Wright e Bjorn Englen para começarem a celebração em memória do mestre do Heavy Metal, Ronnie James Dio. E, ainda como quinteto, o Dio Disciples começou a apresentação com “Killing The Dragon” e o clássico “Holy Diver” na sequência, ambas faixa-título de álbuns do Dio. Eis que aparece Oni Logan para completar o grupo, aliás, ele é quem cantarola os primeiros versos da ótima “Children Of The Sea”, do Black Sabbath. A partir daí, os dois vocalistas ficaram revezando-se ao longo do concerto. Assim, o Dio Disciples continuou a apresentação com “Egypt (The Chains Are On)” e uma excelente interpretação de “Stargazer”, grande hino do Rainbow composto pela dupla Blackmore-Dio.

Depois veio uma sequência de canções do Dio: “The Last In Line”, “Stand Up And Shout”, “Don’t Talk To Strangers” e o medley “Lord Of The Last Day / All The Fools Sailed Away”. Enquanto isso, entre uma música e outra, Ripper dialogava com a plateia, que clamou pelo seu nome, mas ele fez questão de ressaltar que estava ali para celebrar Ronnie James Dio e que o nome de Dio é que tinha de ser aclamado. O público compreendeu a mensagem e gritou o nome do homenageado ao longo do show.

Em seguida, o guitarrista Craig Goldy fez um pequeno solo para, posteriormente, tocar os acordes iniciais de “Catch The Rainbow”, que acabou virando um medley, pois a música foi parcialmente executada e, em seguida, sem deixar a peteca cair, mandaram bala em “Kill The King” e mais dois sucessos do Rainbow: “Long Live Rock And Roll” e “Man On The Silver Mountain”. E, antes do tradicional bis, a canção que dá o título ao primeiro trabalho de Ronnie James Dio no Black Sabbath: a inconfundível “Heaven And Hell”.

Após uma breve pausa, os “discípulos” de Dio voltam ao palco para tocar mais dois temas: “Rainbow In The Dark” e “We Rock”.

E assim, depois de uma hora e meia de show, os headbangers saem do Carioca Club satisfeitos com o que viram. Pois, apesar da contestação dos “troozões” em relação à banda porque “não era o Dio”, os músicos tiveram um ótimo desempenho, não comprometeram, apesar de que o teclado estava muito baixo.

Aliás, enquanto uns encaram o Dio Disciples como uma “banda cover” do Dio – inclusive com gente acusando (injustamente) os integrantes de “oportunistas” -, talvez que, por conta desse tipo de pensamento, o espaço não estava cheio, outros preferem creditá-los como um “projeto-tributo”. Mas, se analisarmos bem, eles montaram um “supergrupo”, ou seja, por se tratar de um conjunto com integrantes que já tinham alcançado a fama e respeito no cenário com outras bandas – Tim “Ripper” (ex-Judas Priest e ex-Iced Earth), Bjorn Englen (ex-Yngwie Malmsteen) e Oni Logan (ex-Lynch Mob), sem contar que o baterista Simon Wright teve uma rápida passagem pelo AC/DC nos anos 1980 –, o termo caiu bem.

Quanto ao local e a organização do show, algumas coisas devem ser destacadas:

– Horário do espetáculo: o evento foi realizado muito cedo, principalmente por se tratar de um sábado, isso porque na mesma data, às 23h, o recinto teria outra atração de outro segmento musical, logo, “tribo” diferente. Em contrapartida, isso foi vantajoso porque o grupo não atrasou a apresentação.

– Localização: apesar de ser um relativamente pequeno, o Carioca Club está situado em lugar de fácil acesso, a parte final da Rua Cardeal Arcoverde fica próxima das avenidas Brigadeiro Faria Lima e Eusébio Matoso, ou seja, há uma grande demanda de linhas de ônibus e fica ao lado da Estação Faria Lima da Linha 4-Amarela do Metrô.

– Divulgação: boa parte dos presentes só ficou sabendo do espetáculo via sites segmentados de música pesada (e também pelo Facebook oficial de Ronnie James Dio). E, inexplicavelmente, não havia sequer um banner na fachada do Carioca Club informando que ali haveria o show do Dio Disciples, pelo contrário: tinha um cartaz anunciando outro evento que seria realizado na mesma data, porém, mais tarde. O que fez com que alguns desinformados que passavam em frente ao recinto “estranhassem” a presença de apreciadores de Heavy Metal em lugar que teria – conforme a informação exposta – “show de pagode”.

E, para àqueles que curtem Heavy Metal de qualidade e que perderam o show de hoje fica uma dica: se nos próximos meses – ou anos – o Dio Disciples tocar no Brasil novamente, não titubeie, vá.

A seguir, o setlist da apresentação do grupo no Carioca Club.

1. Killing The Dragon (Bain / Dio) – Killing The Dragon (2002)
2. Holy Diver (Dio) – Holy Diver (1983)
3.Children Of The Sea (Butler / Dio / Iommi / Ward) – Heaven And Hell(1980)
4. Egypt (The Chains Are On) (Appice / Bain / Campbell / Dio) – The Last In Line (1984)
5. Stargazer (Blackmore / Dio) – Rising (1976)
6. The Last In Line (Bain / Campbell / Dio) – The Last In Line (1984)
7. Stand Up And Shout (Dio / Bain) – Holy Diver (1983)
8. Don’t Talk To Strangers (Dio) – Holy Diver (1983)
9. Lord Of The Last Day (Dio)/All The Fools Sailed Away (Dio/Goldy) –Magica (2000)/Dream Evil (1987)
10. The Mob Rules (Butler / Dio / Iommi) – Mob Rules (1981)
11. Guitar Solo / Catch The Rainbow (Blackmore/Dio)/Kill The King (Blackmore/Dio/Powell) – Ritchie Blackmore’s Rainbow (1975)/Long Live Rock And Roll (1978)
12. Long Live Rock And Roll (Blackmore / Dio) – Long Live Rock And Roll (1978)
13. Man On The Silver Mountain (Blackmore / Dio) – Ritchie Blackmore’s Rainbow (1975)
14. Heaven And Hell (Butler / Dio / Iommi / Ward) – Heaven And Hell(1980)
Bis:
15. Rainbow In The Dark (Appice / Bain / Campbell / Dio) – Holy Diver(1983)
16. We Rock (Dio) – The Last In Line (1984)

Tudo o que sabemos sobre:

DioDio Disciples

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.