Um Ramone volta a São Paulo

Estadão

19 de setembro de 2012 | 12h00

JÚLIA FERNANDES

 Christopher Joseph Ward se tornou C.J. Ramone em 1989 quando substituiu Dee Dee na legendária banda de punk rock americana The Ramones. O baixista ficou até o final da banda, em 1996, e persistiu na carreira musical, montando outros projetos como Los Gusanos e Bad Chopper, mas lançou nesse ano o primeiro disco solo, Reconquista, o qual está em turnê e passará por cinco cidades brasileiras.

O show em São Paulo acontece no Hangar 110 e C.J. será acompanhado pelo guitarrista Steve Solo, do Adolescents, e do baterista Michael Stamberg. O baixista não gosta da ideia de ser um artista solo e se vê como um “cara de banda”: “Tem sido muito difícil reunir uma banda e fazer turnês, e felizmente encontrei esses dois malucos para me acompanhar na estrada.”, explica.

Ainda que sozinho, C.J. dedica o álbum solo aos Ramones. Para ele, as músicas se encaixam à banda e é fácil imaginar seus ex-colegas Joey e Johnny cantando e tocando as canções. “Reconquista foi escrito como uma saudação. Estou muito orgulhoso deste trabalho e espero que todos entendam que eu amo e respeito o The Ramones, mas também posso escrever boas músicas por mim mesmo (risos).Tenho a ousadia em dizer que é um Adios Amigos! melhor do que o que foi lançado.”

De volta ao país (sua última vinda foi em 2010), C.J. sente grande prazer em reencontrar os fãs brasileiros: “O Brasil é amor, é carinho, é dedicação, é o país onde sentimos o calor da devoção. Meu prazer é ver os fãs suados, se divertindo e com aquele largo sorriso no rosto. E acredito que neste show de São Paulo não será diferente.”, conta.

No repertório, C.J. incluiu músicas do novo álbum, da banda Bad Chopper e, é claro, os clássicos dos Ramones. “Vai ser bem divertido, eu garanto!”, se anima o roqueiro.

A noite será do rock

A banda paulistana Aurelio e Seus Cometas é a responsável por abrir o show para C.J. Ramone. Composta pelos irmãos Emir Ruivo e Pedro Nogueira, junto com Thiago Sievers, o trio faz um rock inspirado em desde Ramones, Beatles e Rolling Stones até Cauby Peixoto e Tati Quebra Barraco.

No repertório, a banda garante muito punk com as músicas do novo álbum, Sex Fashion Rolling Rock Post Sub Punk, gravadas em Londres. “Pegamos as música de nossa banda e penduramos um macaco nas costas delas, para deixá-las o mais pesado possível.”, explica Pedro.

Nesse encontro com um Ramone, o baterista Thiago se sente honrado, mas confia nas composições da sua banda “Não vamos fazer feio”. Já o vocalista e guitarrista Emir relembra seus 15 anos, quando assistiu os Ramones ao vivo: Dividir o palco com o CJ agora é maluco, porque o conflito desses dois mundos ainda existe. Hoje eu tenho 29 anos, sei que um artista não é nada além de uma pessoal normal, às vezes um pouco mais maluca, outras até menos. Mas ali com o CJ, o menino de 15 anos vai voltar”. 

 DIVIRTA-SE
 C.J. Ramone
Hangar 110. R. Rodolfo Miranda, 110, Bom Retiro. 3229-7442. Quarta-feira (19), às 19h. De R$ 60 a R$ 100.

Tudo o que sabemos sobre:

CJ RamoneRamones

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.