Torture Squad comemora 20 anos mergulhando na ditadura militar brasileira

Estadão

21 de agosto de 2013 | 06h59

Marcelo Moreira

Contar a história da ditadura militar brasileira em pouco mais de uma hora de música pesada, sombria e violenta. Não é pouca a ambição do trio paulistano Torture Squad, remodelado e com novo vocalista. É o primeiro artista/banda a se aventurar no delicado e pantanoso tema de forma conceitual e integral. “Esquadrão de Tortura” é o nome do novo álbum da banda, que será lançado ainda neste segundo semestre, e traz o delicado tema como o carro-chefe das músicas. E, ao contrário do que o nome sugere, não haverá músicas em português.

O baterista Amílcar Christófaro fala com empolgação da nova formação da veterana banda de thrash/death metal, que já venceu concurso internacional em pleno Wacken Open Air, o maior festival de heavy metal do mundo, na Alemanha. “O grupo está tinindo, estamos gravando no Norcal Studios, em São paulo, com os produtores Brendan Duffey e Adriano Daga. O material novo é diferente de tudo o que já fizemos.”

Muitas horas de pesquisa foram gastas para escarafunchar a historia recente do país e resgatar alguns dos momentos mais funestos do Brasil, com o golpe de Estado de 1964, a tomada pelo poder pelos militares, o solapamento da democracia e os anos negros da tortura e do Ato Institucional nº 5 (AI-5) que, entre outras coisas, limitou as liberdades individuais, suspendeu o habeas corpus e dissolveu o Congresso Nacional.

“É um tema pesado, mas que ainda causa polêmica e mexe com ideário das pessoas. De vez em quando a gente observa eleitores e cidadãos pregando a volta dos militares para acabar com a corrupção e com o crime, mas são poucos os que realmente se dão ao trabalho de pensar e relembrar o que realmente foram os 21 anos de governo militar no Brasil, com tortura e prisões arbitrárias nos 60 e 70 e morte de guerrilheiros em combates no Araguaia”, diz o baterista.

O álbum será narrado de forma cronológica, de forma didática, passando pelos principais fatos do período entre 1964 e 1985, desde o golpe contra o presidente João Goulart, em 31 de março, até a redemocratização com a eleição indireta do presidente Tancredo Neves. Christófaro não teme que o tema específico de uma parte da história brasileira seja rejeitado pelo público internacional. “Temos uma carreira internacional e acho que a ditadura militar pode despertar o interesse no exterior justamente por ter aspectos não muito conhecidos nem mesmo pela geração mais jovem dos brasileiros. Estamos animados com as possibilidades que o assunto permite trabalhar.”

O trio não economizou na ousadia após a saída surpreendente do vocalista Vítor Rodrigues (hoje no Voodoopriest) em abril de 2012. O death metal cru e poderoso do então quarteto então passa a ser um thrash violento e técnico com o guitarrista André Evaristo assumindo os vocais, levando a banda para uma praia mais frequentada por bandas como os alemães do Kreator, mas com a mesma pegada.

O quarteto virou trio, e uma nova dinâmica teve de ser implantada. “O Vítor era vocalista e principal letrista, ele até chegou a participar do início dos trabalhos do novo CD. A banda toda teve que se mobilizar e ajudar nas letras, mas eu acabei assumindo a maior parte da tarefa. Boa parte do conceito foi desenvolvido por mim”, relata Christófaro.

O som mantém a fúria do clássico “Pandemonium” e do ótimo “Aequilibrium”, o último CD, de 2010, também produzido por Duffey. A pancadaria é extrema do início ao fim do álbum, que apresenta as mesmas timbragens de bateria e guitarras um pouco mais limpas, mas não a ponto de descaracterizar o Torture Squad.

“Não poderíamos estar vivendo mais especial no ano em que comemoramos 20 anos de banda, além da assinatura de um contrato com a Substancial Music. Pretendemos fechar 2013 no melhor nível possível, com um show na Malásia no fim do ano e, e quem sabe, uma pequena turnê pela Ásia”, diz Christófaro. A Substancial já está preparando novas edições de álbuns anteriores para que o lançamento do novo trabalho seja completo e marcante no 20º aniversário do Torture Squad,

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

Torture Squad

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: