Titãs e 'Cabeça Dinossauro': porrada para todo lado

Estadão

07 de dezembro de 2010 | 08h14

Lauro Lisboa Garcia

Hoje eles são um quarteto, mas no princípio os Titãs eram muitos e vários. Seus integrantes participavam de bandas paralelas, ouviam e tocavam de tudo, até que se definiram como Titãs do Iê Iê. Ainda com André Jung na bateria (depois substituído por Charles Gavin), viraram só Titãs porque o adendo se mostrou inútil, já que quase todo mundo os chamava de Titãs do Iê-Iê-Iê e a ideia não era essa. Se bem que no primeiro álbum, “Titãs” (1984), emplacaram uma canção digna da ingenuidade da turma da jovem guarda: “Sonífera Ilha”.

No segundo já começavam a botar as asas de fora e desciam a linha no efeito imbecilizante do veículo que dava título ao disco: “Televisão” (1985). Porém, só foi em “Cabeça Dinossauro” – próximo título da coleção Grande Discoteca Brasileira Estadão, nas bancas –, que a banda conseguiu mostrar as garras pra valer. Até então, suas gravações soavam chochas e não correspondiam à garra do grupo ao vivo.

Titãs ao vivo (MARCOS DE PAULA/AGENCIA ESTADO/AE)

“Cabeça Dinossauro” (1986) foi o primeiro de uma série de três grandes discos de estúdio da banda, seguidos por “Jesus Não Tem Dentes no País dos Banguelas” (1987) e “Õ Blésq Blom “(1989 ) e provocou um estrondo, distribuindo porrada pra todo lado, incluindo os “caras que não fazem nada” e as principais instituições: a Igreja, o Estado, a família, a polícia.

O motivo de tanta agressividade tinha origem real. Tony Bellotto e Arnaldo Antunes foram presos no fim de 1985 por porte e tráfico (caso de Arnaldo, que ficou um mês detido) de heroína.

Houve quem criticasse os Titãs (e indiretamente a produção de Liminha e Pena Schmidt), apontando o tom raivoso do disco como coisa de “punk de butique”, mas o poderoso material sonoro da banda falou por si só e as vendas do disco cresceram e consequentemente o público do show impactante, que marcou época.

“Foi o primeiro disco em que ficamos satisfeitos com a sonoridade. Nos dois primeiros, a gente soava mais leve do que fazia ao vivo. Com a produção de Liminha, conseguimos finalmente equiparar essa defasagem que havia”, lembra Arnaldo Antunes, que saiu da banda em 1992.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: