Stick Men, do gênio Tony Levin, toca em São Paulo neste final de semana

Estadão

19 de março de 2011 | 08h30

Marcelo Moreira

A temporada de shows internacionais neste primeiro semestre no Brasil está tão recheada, rica e diversificada que muitas vezes os melhores espetáculos ficam relegados a um segundo plano, suplantados pelo apelo pop de algumas atrações. Foi o que aconteceu com o Stick Men, um dos projetos de rock progressivo mais importantes deste século XXI e praticamente passa despercebido por São Paulo, onde toca neste final de semana, nos dois dias.

O projeto, que tem disco novo no mercado, é liderado por ninguém menos do que tony Levin, um dos músicos mais competentes e versáteis da história do rock. O cidadão tocou simplesmente com com Peter Gabriel (ex-Genesis), Yes e foi membro efetivo do fantástico grupo inglês King Crimson.

Baixista de origem, acabou se notabilizando na banda de Gabriel e depois no King Crimson por ser um entusiasta do instrumento chamado stick – criado pelo luthier norte-americano Emmett Chapman no início dos anos 1970, Chapman stick, ou simplesmente stick, é um instrumento musical elétrico que, de forma simplificada, é uma mescla de baixo e guitarra.

A formação do Stick Men que gravou o álbum de 2010: Michael Bernier (agachado), Pat Mastelotto (centro) e Tony Levin (dir.) (FOTO: DIVULGAÇÃO)

“Stick Man” é o nome do mais recente trabalho do Stick Men, lançado neste ano e que conta com a participação do baterista Pat Mastelotto (ex-King Crimson) e do stick player Michael Bernier. Antes da turnê pela Europa em 2011, a banda excursiona pela América Latina e toca em Porto Alegre e São Paulo pela primeira vez.

Tony Levin em ação com o King Crimson em 1982

Mesmo com o currículo extenso, Tony Levin não para e encontra tempo para participar dos mais variados projetos, do jazz ao heavy metal. O Stick Men é a sua prioridade e o seu filho dileto, mas ele hoje é mais conhecido entre as novas gerações de roqueiros por conta de sua participação em dois projetos extraordinários de metal progressivo. 

Ao lado do tecladista Jordan Rudess, do baterista Mike Portnoy do guitarrista John Petrucci – três quintos do soberbo Dream Theater -, Levin integra o maravilhoso Liquid Tension Experiment, que resultou em dois discos: Liquid Tension Experiment e Liquid Tension Experiment 2, gravados em 1998 e 1999, respectivamente, além de um box chamado “Live in Los angeles”. Portnoy hoje não integra mais o Dream Theater. 

O outro projeto celebrado é o Bozzio Levin Stevens, também conhecido como Black Light Syndrome (nome do primeiro álbum do trio). Terry Bozzio é um baterista norte-americano que tocou só com Frank Zappa e Jeff Beck – portanto dispensa apresentações.

 Já Steve Stevens é um renomado guitarrista e produtor ligado ao hard rock, tendo tocado com muita gente importante, sendo mais conhecido por ser a alma da carreira solo de Billy Idol. 

Apesar da pouca divulgação, é um evento que merece ser comferido e prestigiado. Não é toda hora que um gênio da música mundial aporta no Brasil. 

STICK MEN

 Dias 19 e 20/03/2011

Sábado, às 21h; domingo, às 18h.

Teatro (392 lugares – acesso para pessoas com deficiência)

Classificação: Não recomendado para menores de 12 anos

Duração: 90 minutos

Ingressos à venda a partir de 1 de março, na rede IngressoSESC:

R$ 32,00 (inteira); R$ 16,00 (usuário matriculado no SESC e dependentes, +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino); R$ 8,00 (trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo matriculado no SESC e dependentes). 

SESC BELENZINHO

Endereço: Rua Padre Adelino, 1000

Belenzinho – São Paulo (SP)

Telefone: (11) 2076-9700

www.sescsp.org.br/belenzinho

 ESTACIONAMENTO

Para espetáculos com venda de ingressos:

R$ 6,00 (não matriculado);

R$ 3,00 (matriculado no SESC)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.